terça-feira, 25 de fevereiro de 2014

Fabricantes de ônibus veem reação em 2014

Crescimento em 2013 foi quase nulo, mas o mercado já prevê alta de 3% neste ano

Depois da tempestade, o mercado de fabricação de ônibus começa a dar sinais de recuperação. De acordo com o presidente da Associação Nacional dos Fabricantes de Ônibus (Fabus), José Antonio Fernandes Martins, este ano deve registrar um aumento de 3% nas vendas em relação a 2013, quando foram vendidas 28.813 carrocerias. No ano passado, a expectativa de crescimento era de 10%, mas a estimativa nem de longe se confirmou e as vendas ficaram praticamente estagnadas, com alta de apenas 0,7%.

“As manifestações que começaram em junho atrapalharam tudo. Agora, os governos começaram a organizar a casa. Os dois últimos anos foram quase perdidos, porque sem segurança jurídica o empresário não tem como investir e renovar a frota. No ano passado, a gente até que vinha bem. Até setembro, o aumento era de 5,7%. Foi quando começamos a sentir o efeito dos protestos”, disse, lembrando que, de junho de 2013 até hoje, foram queimados mais de 500 ônibus em todo o Brasil. Cada veículo novo custa R$ 400 mil.

As vendas externas também não ajudaram a indústria em 2013, com queda de 3,2% e 4.118 unidades exportadas. “Acontece que a gora o dólar está novamente em alta. E aí muda tudo. Nossa estimativa é de exportar 4% mais do que no ano passado”, analisou.

Em 2013, as vendas de ônibus intermunicipais tiveram queda de 2,5%. Já o comércio dos coletivos urbanos teve resultado ainda pior, baixa de 4,2%. “Os empresários estão com medo do governo. E o governo está com medo do povo. Não tem outro jeito a não ser oferecer subsídio. O equilíbrio econômico financeiro para os serviços públicos está previsto na Constituição. Cerca de 35% das pessoas que usam os coletivos não pagam passagem. Tudo bem, mas então que o Ministério da Educação pague pelos estudantes e que o Ministério da Previdência pague pelos idosos”, opinou.

Martins acrescentou que este é o melhor momento para os empresários investirem na renovação da frota, porque a taxa de juros está em 6% ao ano. “Eles ainda podem dividir em 10 vezes. O que todo mundo precisa entender é que, neste país, 80% das pessoas que usam transporte público ainda se locomovem de ônibus. Não dá para ignorar isso”, concluiu. 
Fonte: Brasil Econômico

Nenhum comentário:

Postar um comentário

O Fortalbus se reserva no direito de selecionar os comentários.

© 2010-2016. Fortalbus Busólogos - Todos os direitos reservados