quarta-feira, 12 de março de 2014

Pular catraca é uma constante nos ônibus em Fortaleza

Por Marcelo Filho
Prática cada vez mais comum - e que não deveria ser - é a rotineira ação de jovens que se habituaram a não pagar a tarifa nos coletivos de Fortaleza. Aliás, jovens esses que são de se duvidar as suas reais aspirações enquanto carregam em seus vigores o título em potencial de "o futuro do Brasil". Trajados com bonés, colares reluzentes, roupas que servem mais à marca do que a função primeira que lhes deveria ser utilizada, juntamente com seus colegas, esperam o momento certo de pular a catraca do ônibus. 

É claro que as vestimentas não são condicionantes, trata-se apenas de mera identificação. Porém, a moda está tão difundida que fica difícil discernir quem é quem.

Infelizmente, são jovens que não conseguem enxergar em si próprios as suas capacidades e não correm atrás de uma vida menos desregrada. São oriundos da periferia, onde as condições de sobrevivência, em muitos casos, parece mais um vale-tudo para garantir a subsistência. Para isso, recorrem a métodos nada honestos. Eles se acomodaram, juntamente com o silêncio do Estado - o qual também não se deve eximir da responsabilidade de assisti-los. 

O fato de não pagar a passagem é um dos reflexos dessa acomodação. Produto deste mesmo processo, um "pseudo-poderio" age sobre esses jovens, que aparentam impor uma certa imunidade. Nem ouse impedi-los ou contrariá-los! O resultado pode ser nada amistoso, visto a "autoridade" que eles querem transparecer. Os pais não param, o Estado não para, e sobra para os operadores em transporte freá-los? Não é justo, pois são tão vulneráveis quanto todo mundo.

Um simples - e infeliz - fato que ocorre no transporte coletivo é motivo para levantar uma tentativa de análise da conjuntura social vigente em nosso país (o que foi feito neste artigo). Para remediar práticas endêmicas como a de pular catraca, e a de aprender a conviver respeitosamente em grupo, a Educação continua sendo a principal saída. E tem que ser logo desde criança. Essa medida refere-se à todos os envolvidos. Em primeiro lugar, os familiares, ao impor que tudo na vida tem limite, e em seguida o Estado, devendo propiciar os equipamentos necessários ao pleno desenvolvimento intelectual e cultural do indivíduo. Pena que os resultados surgirão a longuíssimo prazo, e, em se tratando de Brasil, é quase uma utopia. 

Mas a endemia continua, sustentada pelos mais velhos que, a primeira vista, parecem não estarem aptos para mudar. Só resta a firmeza - no sentido estritamente legal da palavra - e posterior cumprimento das leis, visto que nossas legislações são conhecidas pela sua "frouxidão" e desmoralização, visando a disciplina aos transgressores.

Pular catraca também entra no cálculo de reajuste de tarifa.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

O Fortalbus se reserva no direito de selecionar os comentários.

© 2010-2016. Fortalbus Busólogos - Todos os direitos reservados