domingo, 20 de abril de 2014

Especial Busologia: Quando a união faz o hobby

Grandes admiradores e colecionadores fazem toda a diferença em prol de um hobby agradável e prazeroso. Conheça-os:
CLUBE VOLVO - Encontro de alguns membros do Clube Volvo, da “geração 70 e 80” de colecionadores, na Volvo do Brasil em Curitiba (1986). Na foto estão: Márcio, Cláudio, Marcel, Luis Otávio (in memorian), George e Antonio Ferro. Na ocasião o pessoal visitou a linha de produção de caminhões e ônibus.
George André Savy
O jundiaiense George André Savy, por volta do ano de 1973 quando começou a ler, sentiu-se atraído pela Geografia, mapas e fotos de lugares diversos do mundo. Na época sua mãe levava-o várias vezes visitar uma tia na capital paulista, e essas viagens eram ou de trem ou pela Viação Cometa. Comparando nos mapas os trajetos percorridos em ruas e estradas, associou os meios de transporte de massa à liberdade de viajar, conhecer outras cidades.
Encontro de alguns membros do Clube Volvo, da “geração 70 e 80” de colecionadores, na Volvo do Brasil em Curitiba (1986). Na foto estão: Márcio, Cláudio, Marcel, Luis Otávio (in memorian), George e Antonio Ferro. Na ocasião o pessoal visitou a linha de produção de caminhões e ônibus.
Assim nasceu a paixão pelos ônibus. Anotando os nomes das empresas e linhas, aos 8 anos de idade começou a transformar caixas de ovos em miniaturas de ônibus, para brincar no quintal de casa. Aos 12 começou a viajar sozinho, e aos 15 decidiu criar o Clube Volvo, que após divulgado numa revista de transportes, reuniu parte dos admiradores de ônibus e caminhão na década de 80.

Após dez anos de atividade do Clube, partiu para trabalhar numa empresa de ônibus e abraçou a área literária. Todo o material da coleção do Clube está preservado em seu acervo. George possui 95% das fotos de ônibus no papel, que em sua opinião é a verdadeira coleção, e mantêm o hábito de viajar. “Impossível desassociar os ônibus das viagens” – arremata.

George trabalhou numa das empresas urbanas de Jundiaí na década de 90, onde pode aprimorar os conhecimentos na área de transportes.

Charles Machado
Nasci em 1952 e desde pequeno gostei de ônibus, sempre morei em Lorena ,cidade as margens da Dutra por onde passavam os Diplomatas/Flxible do Expresso Brasileiro,os Morubixabas e Lagartões da Cometa,os Volvos da Pássaro Marron,na cidade eu ficava sentado vendo os Chevrolet da Empresa Malerba que vinham das fabricas ao fim do expediente, aos sábados a tarde eu sempre passava de bicicleta em frente das garagens da Cometa, Marron e Malerba aqui da minha cidade para ver as novidades,naqueles tempos era difícil fotografar então eu co-lecionava recortes de fotos de ônibus que vinham em jornais e revistas.

Hoje sou medico,trabalho muito ,mas o meu hobby e a minha satisfação é ver as fotos dos onibus ,sobretudo os mais antigos que marcaram a minha infância (Volvo,GM,Chevrolet,Mer-cedes .Scania,Twin Coach,Flxible). Atraves da busologia conheci excelentes pessoas jovens e maduras que como eu curtem onibus e empresas,frequento varios grupos como o Toffobus,o Onibus Nostalgia(Google/Yahoo),Onibus Brasil, Orkut e Facebook,e tenho varios albuns de fotos, sempre que posso frequento as garagens da Cometa e da Marron, alem de ter colaborado em algumas publicações: Tudo Começou Com Um Onibus(JCA) ,Auto Bus(Antonio Ferro) ; Historia dos Onibus GM no Brasil(Roberto Zulkiewicz).Aproveito para saudar a todos os amigos do hobby e desejar muitas felicidades e boas festas agora e sempre.

Osvaldo Born
Os primeiros anos 
Minha história relacionada ao colecionismo começou no colo de minha mãe quando fomos passear no primeiro dia de o-peração do sistema expresso de Curitiba. Isso eu tinha menos de um ano de idade. Depois fui observando as mudanças do sistema de transporte de Curitiba: primeiro os ônibus da linha 103 – Comendador Roseira – Bom Retiro da Auto Viação Marechal. Depois os ônibus desta empresa que faziam outras linhas que passavam perto de minha casa.
OSVALDO BORN EM 1992 em frente a Volvo - Veículo Volvo B10M de exportação Kuwait
Na época ainda tínhamos muitos Nimbus, tanto na cor padronizada amarela, como na antiga pintura verde e amarela, sendo alguns com chassi FNM. Lembro-me em detalhes a repintura com a nova cor padronizada e a alegria do menino ao pegar um ônibus “laranjado”. A mudança da entrada dos convencionais para a frente, os primeiros ônibus com segunda porta entre-eixos e assim por diante. O universo foi se expandindo para outras linhas e empresas da cidade. Durante minha infância desenhava muitos automóveis e ônibus cuja frota planificada com cerca de 500 veículos ainda tenho guardada. Por volta de 1986 comecei a juntar materiais impressos a respeito do assunto.

O encontro 
Em 1991 foi o momento de integração com outras pessoas que tinham o mesmo interesse pelo colecionismo. Conheci o Luis Otávio Rodrigues Anchieta (in memorian), presidente de um clube de colecionadores (Transclub), por intermédio da revista Eu Rodo da Volvo, onde publicara o endereço para troca de materiais. Depois vieram Francisco Becker, Pablo Dalalibera Silveira, Edson Diniz, João Donizete, Daniel Custódio, Tarcisio Rodrigues, Pedro Oliveira e Fabiano Ferreira, muitos destes cuja amizade se iniciou na Transpo 91, feira de ônibus em São Paulo. Neste evento iniciei os primeiros registros fotográficos com incentivo do Luis e a primeira foto de um Busscar da Danúbio Azul quase foi a última pois quase fui atropelado enquanto fazia a foto. Boa época em que era apresentado o Caio Vitória do modelo ligeirinho, sistema paralelo com embarque em nível que se configurava como um novo acerto da equipe de Jaime Lerner para melhorar o sistema de transporte de Curitiba. Depois disto criei meu próprio clube, depois rebatizado Omnibus do Brasil e em agosto de 1992 iniciei a publicação da A Folha do Omnibus, informativo sem periodicidade definida e que relatava os acontecimentos do transporte coletivo por ônibus. Na mesma época contribuía com informações para o saudoso Poltrona 1, informativo sobre frotas de ônibus. Era uma época de muitas novidades no sistema de transporte de Curitiba com a aquisição de mais de 500 ônibus pesados para operação em todas as categorias do sistema. Posteriormente uma grande amizade com Antonio Ferro se iniciou pois o interesse em publicações era similar e ele continua editando a revista Autobus para a qual, eventualmente, envio colaborações de artigos e fotos.

A era da internet 
No Natal de 2001 lancei o site do Omnibus, ainda na hospedagem do HPG. Com isso A Folha do Omnibus passava a ser on-line a partir da edição 57. Surgiu também nesta época o grupo de discussão Omnibus Curitiba, depois o Omnibus Paraná, posteriormente unificados no grupo Omnibus Brasil. Novos amigos chegaram, Wilian Correa e Rafael Augusto Arthury de Almeida, além de muitos ou
-tros que se seguiram. A internet potencializou a comunicação entre os interessados no assunto ônibus.

As exposições de ônibus 
Em 2004, a primeira Exponi – Exposição de Ônibus Novos e Antigos era rea-lizada, ainda em caráter informal com a mostra de 10 ônibus na garagem da Transpen de Curitiba. E mais amigos, como Ronaldo dos Santos, com quem compartilho a organização das Exponi desde a 2.ª edição, chegaram. Seguiram-se mais 5 Exponi, 4 em Curitiba, uma em Colombo e uma em Ponta Grossa com a colaboração do L´Autobus/Clubtur. E em 2013 chegamos à 7.ª edição, a primeira no estado de Santa Catarina, completando mais de 325 ônibus expostos e com cerca de 2950 quilos de alimentos arrecadados.

O futuro 
Nos últimos anos, devido a compromissos pessoais e profissionais e um pouco de desalento com a situação do hobby deixei de publicar A Folha do Omnibus, cuja última e-dição de número 128 foi lançada em de 31 de agosto de 2011, completando os 20 anos do informativo com 84 páginas. Em seguida houve o encerramento do grupo de discussão. Voltei ao banco do fundo, mas permaneço na janela olhando as novidades do mundo do ônibus. E agora, novamente como aquela criança no colo da mãe em 1974, com olhos surpresos fascinado pelo que vê, a cada dia uma surpresa.

Flávio Rodrigues Silva
Tenho mais de 30 anos de hobby, mas sempre gostei de ônibus, desde muito pequeno. Fazia desenhos, juntava recortes de jornais e revistas com fotos e matérias sobre o tema. Catalogava empresas e suas linhas, fazia miniaturas em cartolina e rodoviárias de papelão... Criei cidades e estradas ima-ginárias só para que a minha empresa fictícia, o “EXPRESSO RIOMINAS”, ganhasse vida... Com uns 11 ou 12 anos comecei a fotografar em minhas viagens com meus pais... Ganhei uma máquina analógica com flash embutido, bem simples, comprada na extinta Mesbla.

Em princípio as fotos eram toscas, mal batidas e de longe. Eram mal enquadradas, pois eram tiradas com pressa e de forma escondida... Afinal de contas, era tímido e tinha vergonha de ser visto fotografando ônibus: em idos dos anos 80, achava totalmente esquisito um menino tirando fotos de ônibus... Tinha vergonha porque me achava o único ser vivente que gostava de ônibus! Não sabia da existência de outros colecionadores. Não havia internet e todas essas facilidades que vemos hoje: o que eu sabia sobre ônibus era apenas o que lia, deduzia ou ouvia falar. O material era pouco e limitado, pois não tinha dinheiro para comprar filmes e fazer revelações. 

No início de 2000, com a chegada da internet, que permitiu a criação de sites e listas de discussão sobre ônibus, a coisa tomou maior dimensão. Descobri que não era único no mundo! A partir daí comecei intercâmbio de fotos por correspondência com inúmeros outros colecionadores. Conheci no hobby al-guns de meus melhores amigos, e hoje o assunto ônibus não é mais a única coisa que nos une. “Criei um site de fotos na internet em 2004, um Fotopic chamado “Expresso Riominas” e comecei a postar minhas fotos e relatos de viagens (viajar é outro hobby).

Tomei coragem de dar prosseguimento a um antigo sonho de viajar por todo o Brasil e conhecer e fotografar em todos os estados e capitais. Projeto pessoal concluído em 2011, quase 10 anos depois de iniciado, viajando de ônibus por todo o país.  Hoje, apesar de o tempo ser menor em função do trabalho e vida social, ainda procuro dedicar meu tempo vago as minhas viagens e fotografias. Disso não abro mão!

Sydney Júnior 
Desde os 5 anos de idade já me identificava com as fichas de ônibus trazidas pela minha vó.. Muitas cores e formatos já me chamavam a atenção na época..Dali,comecei a observar que cada ficha era de uma empresa diferente e comecei tentando identificar de que empresa era cada uma das fichas e com isso fui me aproximando mais dos ônibus, carrocerias e suas identidades visuais. Na minha adolescência, já era Vidrado em ônibus a ponto de ficar fazendo planilhas em cadernos das linhas e prefixos, principalmente da E.T. Braso Lisboa, que era minha Empresa preferida.

Nesta época me achava meio maluco por este gosto incomum por ônibus, mas ia levando minha mania, recortando fotos de jornais e revistas da época... Quando comecei a trabalhar e pude comprar a minha maquina fotográfica, passei a sair de bicicleta e meio que escondido fotografar alguns ônibus... Mas ainda me sentia um ET..Um dia conheci o amigo Pedro Oliveira ,que me apresentou outro grande amigo, Edegar Rios e dai o hobby começou a tomar forma,mas ainda de forma timida,pois apenas tínhamos pouquíssimos artigos de revistas e fotos em geral.

Com o advento da internet,no ano 2000, precisava pensar em montar um site para a minha empresa e então pensei,vou brincar primeiro ,para aprender,com algo que eu não tenha nenhuma responsabilidade e nesta época comecei a juntar algumas fotos, digitalizá-las e comecei a montar a primeira versão do Cia de Ônibus,ainda sem este nome e com apenas algumas poucas fotos, nos antigos sites ds Starmedia. A brincadeira rendeu 50 visitas na primeira semana, 80 na segunda,150 na terceira e não parou mais e dali eu pude começar a ver que não era o único que gostava de ônibus. Comeste site inicial comecei a conhecer novos amigos que foram me incentivando cada vez mais a ir dando prosseguimento ao Site sobre ônibus. 

Como minha empresa era a Cia de Talentos, resolvi gerar o nome Cia de Ônibus para o site e isso, em torno de 2004 o site já começava a ter seu formato e a se tornar referencia para tantos amigos... Hoje, mais de 13 anos depois, o site Cia de ônibus ostenta a marca de mais de 10 milhões de visitas e se tornou um marco na Brasileira, principalmente a Carioca... E ficam meus sinceros agradecimentos a todos os amigos que permitiram este sonho virar realidade e continuam até hoje incentivando e me ajudando a manter o site no ar...

Henrique Barreto(Fortalbus)
Tudo começou pela necessidade de viajar, sair de férias escolares, rever familiares, ou seja num ônibus era o ponto inicial de minhas emoções, o descolar-se conhecer novos lugares tudo isso o ônibus me proporcionou, afinal ainda era apenas uma criança querendo descobrir o mundo, mas segundo relatos de minha mãe, a paixão pelo ônibus se deu desde a gestação, pois ao tentar passar na catraca ele ficou presa, precisando o moto-rista solicitar uma ajuda da garagem para que ela fosse resgatava aquele incidente, segundo ela é o motivo dessa paixão.

Acredito que, como busólogo, gosto muito de registros antigos, de adquirir e compartilhar conhecimento. Ao trazer as lembranças me vem a saudade do transporte de outras décadas, a exemplo dos anos 90, pois foi uma década muito inovadora, e vem a responsabilidade de não deixar essa historia ser esquecida, ainda mais que vivemos sempre na esperança de um transporte melhor. No Fortalbus falamos uma linguagem muito simples, objetiva e precisa, acredito que isto é o segredo da credibilidade transmitida para quem nos prestigia. Muitos de nossos leitores são oriundos de outras regiões, sendo que vários sites se focam em comentar sobre a frota do eixo Sul/Sudeste. Já o Fortalbus veio com uma proposta inovadora, que é defender o que é da região, a frota do nosso Nordeste, focando com muita responsabilidade nosso Ceará.” 

O Fortalbus iniciou-se com apenas 3 amigos. Depois, com a necessidade de reconhecimento, apostamos nas redes sociais, que por si só já possuem como característica a possibilidade de compartilhar informações com o máximo de pessoas e aumentar ainda mais nossa rede de amigos. Com esta atitude a oportunidade de conhecer busólogos se amplia, muitos foram descobertos, muitos saíram do anonimato. As redes sociais fortaleceram o movimento da busologia no Ceará e também fez nascer novas amizades, contatos com busólogos de outras cidades e estados, nos trazendo a oportunidade de alimentar nosso desejo e paixão pelo transporte de nosso País.

Hoje tenho amigos do hobby próximos ou distantes, o que importa é que a busologia deve ser encarada, além de hobby e de cumprir um papel social perante aos usuários de transporte coletivo, como uma forma de se manter uma rede de amizade. Essa é a essência! Amigo é um dos maiores tesouros que podemos ter. Quem tem, poderá contar sempre com o seu apoio, sua compreensão e seu carinho. Cultive-o, valorize-o e, juntos, compartilhem da jornada rumo à felicidade!

Eugênio Ilzo 
Tudo começou aos 5 anos quando meu pai que foi comprar pneus usados me levou na década de 70 na garagem da Viação São Cristóvão aqui da minha cidade Divinópolis-MG.Aos 9 anos comecei a fazer miniaturas em madeira para brincar e desta época já comecei a comercializar com os motoristas e cobradores que fazia o ponto final do lado de casa.No ano de 1979 não me recordo mas havia uma propaganda da Gontijo na televisão e foi quando apareceu um Marcopolo III dela que deu o ponta pé inicial para me integrar no mundo do ônibus.Em 1983 fui convidado para uma visita na Marcopolo Minas S/A que tinha seu parque fabril em Betim-MG e no ano seguinte voltei novamente e foi nesta época que comecei a colecionar folhetos e fotos

Quando comecei a colecionar fotos era anônimo e depois do surgimento da internet e o surgimento de sites com o tema ônibus começou á ser mais divulgado.Hoje o hobby esta mais conhecido,mas com o surgimento de sites mais bem elaborados surgiu um ego e uma disputa entre os admiradores que começou a manchar negativamente nas empresas e encarroçadoras o tema usado búsologo.Comecei a dirigir cedo,com 9 anos e quando troquei minha CNH de C para D passei a dirigir ônibus de turismo aqui na minha cidade e passei a conhecer o Brasil.Janeiro de 1990 em uma viagem á Balneário Camboriú-SC fiz uma visita na Carrocerias Nielson/Busscar. A Marcopolo conheci em 1995 numa excursão que levei á Torres-RS que tive a oportunidade de conhecer e de lá pra cá vou lá pelo menos uma vez no ano.A Comil foi em 1997 e já tive o prazer de conhecer a Irizar e a Neobus,todas elas fui e sou muito bem recebidos.Hoje com aproximadamente 160.000 fotos e um acervo de revistas folhetos com quase 2000 exemplares posso me considerar um admirador de ônibus.Como motorista já tive o prazer de dirigir quase todos os modelos,inclusive ônibus com direção do lado direito e por último o Hibribus Volvo B215RH que esta em demonstração em Belo Horizonte-MG.O hobby tem tudo para ser reconhecido,mas depende de cada um pensar coletivo,com humildade e entendimento quem sabe chegamos lá.
Do especial: Fazendo a diferença no hobby – Revista Interbuss

Nenhum comentário:

Postar um comentário

O Fortalbus se reserva no direito de selecionar os comentários.

© 2010-2016. Fortalbus Busólogos - Todos os direitos reservados