terça-feira, 29 de abril de 2014

Fortaleza: Entenda as diferenças e projetos do BRS, BRT e VLT

Por Fortalbus
Quais as diferenças entre cada modalidade? Como elas podem contribuir com a mobilidade urbana e com a melhoria do serviço de transporte coletivo em Fortaleza? Para entender mais sobre o assunto, é importante compreender as características de cada um dos modelos. 

BRS Fortaleza
São faixas preferenciais separadas das demais através de uma linha contínua de cor azul e por tachas refletivas. Ao longo da via, várias placas identificam o que é e o que não é permitido, além da sinalização das linhas e os pontos de parada.

As linhas foram divididas nos grupos 1, 2 e 3 e identificadas por um adesivo afixado no vidro da frente dos coletivos. Quando trafegam na avenida, essas linhas param somente nos pontos de parada que tiverem a sinalização correspondente a elas. Por exemplo, o ônibus classificado no grupo 1 só realiza o embarque e desembarque de passageiros nas paradas que tem a identificação BRS-FOR1.

Assim como a identificação nos ônibus, todos os pontos de parada tem abrigos sinalizados com os números 1, 2 ou 3 e informação das linhas que realizam o embarque e desembarque naquele local. A distância entre esses pontos de parada é apenas de 600 metros.

Em 20 meses de implantação, as faixas prioritárias da avenida Bezerra de Menezes dobraram a velocidade média do transporte público na via, que era de 13km/h, lembrando que o fluxo na avenida é de 201 coletivos por hora. No primeiro mês de fiscalização, quando mais de quatro mil multas foram aplicadas para quem desrespeitava a delimitação, o aumento foi de 16km/h para até 26km/h.

O principal objetivo do chamado Bus Rapid System (BRS) foi alcançado: impactar no tempo de viagem dos mais de 300 mil passageiros que trafegam pela avenida diariamente. Mais para algumas linhas, menos para outras. O diretor-presidente da Etufor, Antônio Ferreira, explica que o impacto foi maior em linhas que vão até o Centro, com ganhos de até 65% de velocidade. “Para a Antônio Bezerra/Papicu, que faz quase 18km e tem apenas 6,6km (ida e volta) com faixas priorizadas, o aumento foi de 30% a 40%”, exemplificou. E para que haja mais ganho de tempo a fiscalização é imprescindível.

Reais objetivos das faixas exclusivas para ônibus
* Garantir prioridade no sistema viário ao transporte coletivo
* Aumentar a velocidade operacional dos ônibus
* Diminuir o tempo do passageiro dentro do veículo
* Impactar positivamente nos deslocamentos individuais
* Permitir maior fluidez na circulação viária para os ônibus
* Disponibilizar informação aos usuários, monitoramento e reeducação
* Racionalizar a operação com a otimização da frota
* Aumentar a produtividade do transporte público sobre pneus
* Reduzir os custos do transporte público e, contribuir para a modicidade tarifária
* Facilitar a integração com os outros modos de transporte
* Compartilhar os espaços da cidade de forma justa e racional. 

BRT Fortaleza 
Em inglês: Bus Rapid Transit um sistema de transporte público que possui alta capacidade de realizar um serviço rápido e eficiente. Com a utilização de corredores exclusivos, o BRT é atrativo por ser considerado um sistema moderno de transporte de massa sobre pneus. Apesar de ser baseado nos modelos de ônibus, o BRT não tem muita coisa de tradicional. Na prática, o sistema BRT demonstra potencial para reduzir as emissões de CO2. Na Cidade do México, pesquisas comprovaram que há redução de 35 mil toneladas de C02 por ano. 

A Prefeitura de Fortaleza, vai iniciar agora em maio, as obras de implantação na avenida Bezerra de Menezes das dez estações para embarque/desembarque do BRTs (Bus Rapid Transit) que são os corredores exclusivos de ônibus. O objetivo é priorizar e dar celeridade ao transporte público e coletivo na Capital. Serão construídos aproximadamente 70 novos quilômetros de corredores expressos de ônibus. 

O BRT Antônio Bezerra /Centro corre com intervenções dentro do prazo estipulado. A expectativa é de que até o fim de agosto já terão sido concluídas as obras do terminal do Antônio Bezerra e também vamos ter implantado o corredor Antônio Bezerra/Centro, com a transferências das faixas de ônibus para o canteiro central.

Também no mês de agosto, as quatro faixas (duas em cada sentido) ao lado do canteiro central da av. Bezerra de Menezes serão utilizadas apenas pelo transporte público e as quatro faixas mais próximas das calçadas (duas em cada sentido), que hoje funcionam como faixas para o BRTs, serão restituídas para o trânsito de veículos particulares.

O corredor Antônio Bezerra/Centro é a primeira etapa do BRT Antonio Bezerra/Papicu que será implantado em duas fases. A primeira etapa liga o Terminal Antônio Bezerra ao Centro, por meio da Avenida Bezerra de Menezes. Esse primeiro trecho independe da finalização da obra no entroncamento das Avenidas Engenheiro Santana Júnior e Antônio Sales, que será utilizado somente na implantação da segunda etapa do corredor que ligará o Terminal Antônio Bezerra ao Terminal do Papicu, obra prevista para ser concluída até o mês de outubro deste ano.

Vale lembrar que os corredores exclusivos para transporte público não serão 100% BRT (Bus Rapid Transit), pois apresentam trechos que não seguem os padrões que caracterizam o modelo a ser adotado.

Futuros corredores expressos de ônibus BRT em Fortaleza: 
- BRT Messejana / Centro (BR 116/Aguanambi) Extensão: 15,2 km 
- BRT Antônio Bezerra/Messejana (Perimetral/Juscelino Kubitschek) Extensão: 23,2 km 
- BRT - Emílio de Menezes/Vital Brasil Extensão: 4,1km 
- BRT - 1° Anel Expresso de Fortaleza (Complemento Av. Raul Barbosa à Av. Castelo Branco) Extensão: 8,5 km 

VLT Fortaleza
É a sigla de Veículo Leve sobre Trilhos, tradução literal do inglês Light Rail Vehicle (LRV), que é um sistema de transporte que está entre o metrô e o ônibus convencional, e, geralmente, não tem a sua faixa de tráfego exclusiva. Dependendo da tecnologia adotada, um sistema de VLT pode garantir uma capacidade de transporte que varia entre 15 mil e 35 mil pass/h/sentido. É necessário verificar alguns conceitos importantes quando se fala em VLT, tais como: leveza – que propicia menor consumo energético e desgaste da via –; acessibilidade – através do piso baixo e rampa de acesso para cadeiras de rodas –; e flexibilidade – com bom desempenho operacional tanto em via exclusivas (desenvolvendo maiores velocidades), como em meio ao tráfego rodoviário urbano com cruzamentos ao nível das ruas e operação por marcha à vista. A distribuição de peso por eixo de um VLT é cerca de 3 a 6 toneladas menor que a dos metrôs e pode ser movido com diesel ou eletricamente. 

Os VLTs existem em inúmeras cidades do mundo, principalmente na Europa, e, comprovadamente, produzem significativos benefícios, tais como ordenação do tráfego urbano, redução dos níveis de poluição, melhoria da mobilidade urbana, dentre outras. 

Dentro do conjunto de obras estruturantes em Fortaleza para a Copa de 2014 está a construção do Ramal Parangaba Mucuripe. A linha fará uma importante ligação entre o setor hoteleiro da orla marítima de Fortaleza e o Centro da capital, a partir de sua integração com a Linha Sul. O Ramal vai ser operado com veículos leves sobre trilhos (VLT) e fará a conexão ferroviária de 12,7 quilômetros entre a Parangaba e o Mucuripe, favorecendo 22 bairros da cidade e beneficiando cerca de 90 mil passageiros/dia. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

O Fortalbus se reserva no direito de selecionar os comentários.

© 2010-2016. Fortalbus Busólogos - Todos os direitos reservados