quarta-feira, 7 de maio de 2014

Fortaleza: Muito aperto, insegurança e falta de estrutura

Por Sara Oliveira
Sem estrutura física que dialogue com a demanda que recebem, os terminais da Capital pedem socorro. Os usuários, vítimas das deficiências, vivem rotina de sufoco no transporte público. Mais de um milhão de pessoas chegando e saindo, 2.064 ônibus circulando e pontos de parada que servem a 301 linhas. Os sete terminais de integração de Fortaleza somam mais de 77 mil metros quadrados de desconforto e insegurança. Inaugurados há mais de 20 anos, são equipamentos saturados, aquém da demanda atual. Faltam espaço, atenção, higiene, direitos, educação. 

O bom dia aos usuários que chegam aos terminais no horário de pico da manhã é de aperto e correria. Sem espaços específicos para embarque e desembarque, é preciso desviar dos ônibus em movimento para chegar às plataformas, inutilizando a faixa de pedestres e o aviso sobre a travessia segura. A fila para acessar a linha desejada é o próximo desafio. 

No terminal do Siqueira, não há nem mais prioridade de entrada para idosos. Foi necessário criar pontos específicos para este público, que só consegue ter acesso a oito linhas de ônibus. “Tem muito desrespeito, sem contar o perigo de gente usando droga, pequenos furtos... Aqui já botaram faca no pescoço do meu filho para roubar um celular”, contou a doméstica Francisca Nunes, 44. No terminal do Papicu, responsável por distribuir ônibus e passageiros para pontos estratégicos da Cidade, as duas plataformas existentes não dão conta. Os monitores informativos distribuídos pelo terminal- existentes também em outros equipamentos- até poderiam repassar horários de saída e chegada das linhas, organizando a fluidez de usuários. Mas nas telas, apenas publicidade é apresentada. Diante das dificuldades diárias, a assistente social Norma Patrícia Athaide, 54, resolveu fazer um blog sobre as deficiências do terminal. “A lotação é um problema crônico, que não consegue ser resolvido. Ver uma pessoa passando mal para entrar em um ônibus é deprimente. Aqui não existe estrutura nem cultura de gentileza”, afirmou. 

Sem acessibilidade 
Os terminais deveriam constituir locais abrigados e seguros para a grande movimentação que possuem. Na realidade, isso não acontece. No terminal da Parangaba, buracos, falta de acessibilidade e de assentos faz mais pesado o cotidiano de muitos trabalhadores. O cadeirante Francisco Sousa Maceno, 31, considera como “sacrifício” a ida diária ao local. “Entro pela passagem dos ônibus e passo por degraus em vez de rampas. Sem nenhuma facilidade”, contou. 

O estudante Uberson Gomes,20, descreveu a confusão de coletivos nos portões. “Ficam até quatro ônibus enfileirados. Isso atrapalha o trânsito de fora e de dentro do terminal e atrasa o passageiro”, analisou. Para o costureiro Edvan Pereira, 29, os terminais padecem sem estrutura e organização. “Se chover é uma desgraça. Tem goteira, correria e risco de acidente. Não entendo como um local tão grande consegue ser tão mal aproveitado”, disse, apontando para as imensas filas e o empurra-empurra para entrar nos ônibus. 

Seis terminais em destaque 

Terminal Antônio Bezerra: 
Tamanho: 10.368.80 m² e duas plataformas 
Demanda diária: 197.839 
Linhas: 45 . 
Ônibus: 360 
Acessibilidade: banheiros, rampas e travessia em nível 
Obras: terá 29 mil m² e túneis que ligam plataformas, entrada e saída. 
Entrega segundo semestre de 2014. 
Corredor exclusivo: Antônio Bezerra/Papicu 

Terminal Papicu 
Tamanho: 11.528.77 m² e duas plataformas 
Demanda diária: 261.874 
Linhas: 54. 
Ônibus: 519 
Acessibilidade: banheiros, rampas e travessia em nível 
Obras: será ampliado e chegará até a Engenheiro Santana Júnior. 
Vai integrar VLT e Metrofor. 
Início primeiro semestre 2015. 
Corredor exclusivo:Antônio Bezerra/Papicu 

Terminal Siqueira 
Tamanho: 11.649..18 m² e uma plataforma 
Demanda diária: 159.198 
Linhas: 47 
Ônibus: 331 
Acessibilidade: apenas banheiro acessível 
Obras: Início segundo semestre 2014. 
Corredor Exclusivo:Augusto dos Anjos/José Bastos 

Terminal Parangaba 
Tamanho: 12.636.00 m² e cinco plataformas 
Demanda diária: 188.983 
Linhas: 56. 
Ônibus: 364 
Acessibilidade: banheiros, rampas e travessia em nível 
Obras:Início primeiro semestre de 2015. 
Corredor Exclusivo: Senador Fernandes Távora/Expedicionários 

Terminal Conjunto Ceará 
Tamanho: 7.249.54 m² 
Demanda diária: 75.519 
Linhas: 19. 
Ônibus: 131 
Acessibilidade: aguarda projeto 
Obras: Início segundo semestre de 2015 
Corredor exclusivo: Emílio de Menezes/Vital Brasil 

Terminal Messejana 
Tamanho:12.882.94 m² e duas plataformas 
Demanda diária: 134.887 
Linhas: 51. 
Ônibus: 230 
Acessibilidade: aguarda projeto 
Obras: ampliação. 
Início segundo semestre de 2014 
Corredor exclusivo:BR 116/Aguanambi

Nenhum comentário:

Postar um comentário

O Fortalbus se reserva no direito de selecionar os comentários.

© 2010-2016. Fortalbus Busólogos - Todos os direitos reservados