terça-feira, 22 de julho de 2014

Grandes marcas: Carrocerias Eliziário – Parte 2

Por Clube do Ônibus Antigo Brasileiro
Em 1947 a Eliziário começava a mudar o cenário do mercado de carrocerias de ônibus, e colocou na linha de montagem um novo projeto, que já traria uma série de inovações, pois já marcava uma nova era em ônibus. Capuz do motor com isolamento, porta com acionamento pneumático, poltronas estofadas com maior espaço e uma disposição de 38 lugares, este modelo seria produzido até 1949 e era conhecido apenas como Coach derivado do americano que Eliziário havia importado para estudos.
Eliziário sobre chassi comercial Ford Hércules 1942.
O Coach da Eliziário era encarroçado sob chassi GM PDI 3703 de 211 hp, importados de Detroit. A sigla PDI significava " Parlor Diesel Intercity " ou veículo intermunicipal à diesel. Em 1948 o " Plano Salte " , tinha como objetivo ordenar gastos públicos e reduzir as importações, o que acabou beneficiando indiretamente a Carrocerias Eliziário, que passou a ser a principal referência em matéria de ônibus no país. Um processo quase que totalmente artesanal, transformava lata e ferro em um produto de grande qualidade. As tintas para pintura eram todas importadas da Sherwin - Williams , mais tarde a Tintas Renner, empresa vizinha da Carrocerias Eliziário na Av. Assis Brasil, começou a desenvolver as tintas e testar nos veículos em processo de pintura.

Inúmeros modelos foram produzidos, desde jardineiras, lotações, ônibus urbanos até chegarem aos rodoviários. Naquela época os veículos produzidos pela Carrocerias Eliziário, não possuíam nenhuma especificação de nome (modelo) eram todos conhecidos apenas como Eliziário. Foi nesta mesma época também que lançou  no mercado uma série especial com 50 unidades produzidas, sendo 6 delas adquiridas pela empresa Unetral de Erechim/RS, hoje atualmente conhecida como Unesul. Tratava-se de uma nova tentativa no setor rodoviário, um projeto desenvolvido em conjunto com a Scania -Vabis a partir de um caminhão B-75.

No início da década de cinquenta surgia no mercado os primeiros chassis especiais para ônibus, os famosos " LPO " , reduzindo assim o tempo do produto na linha de montagem. Porém na ocasião somente alguns clientes adquiriam os novos chassis próprios para ônibus da Aclo , Scania - Vabis , Mercedes - Benz ou os importados Delahaye , pois muitos ainda preferiam encarroçar ou reencarroçar sob caminhões adptados. 


Em 1951, a madeira começa à perder espaço, sendo gradativamente substituída pelas estruturas metálicas, o que acabou sendo mais um avanço no setor do transporte urbano. A partir do Belveder, a Eliziário começou a equipar os seus ônibus rodoviários com poltronas Pullman, projeto originário do americano George Pullman de 1897, o que deixava estes modelos com um item de acabamento, conforto e requinte à frente dos rivais. Substituir a madeira e entrar na era metálica, além de ser uma novidade, tinha também uma grande vantagem - " A redução do peso do ônibus ", o que acabava influenciando diretamente no bolso dos empresários na hora de escolher a marca do seu produto.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

O Fortalbus se reserva no direito de selecionar os comentários.

© 2010-2016. Fortalbus Busólogos - Todos os direitos reservados