sábado, 16 de agosto de 2014

A história dos ônibus articulados de Fortaleza

Por Fortalbus
Os ônibus articulados, "sanfona" ou "papa-filas", como eram popularmente conhecidos, já circularam durante alguns anos na capital e fez grande sucesso, atraindo alto número de passageiros. Os dois primeiros ônibus articulados da Companhia de Transporte Coletivo (CTC) foram apresentados em uma solenidade realizada na Av. Beira Mar, em janeiro de 1990, por Ciro Gomes, prefeito de Fortaleza na época. Os ônibus contemplavam as linhas Antônio Bezerra/Unifor e Campus do Pici/Unifor. 

Cada veículo custou cerca de 700 mil cruzados novos e foram incorporados à frota com o objetivo de diminuir filas e excesso de lotação. Tinham 18 metros de cumprimento, capacidade para 200 pessoas, três portas de acesso, encarroçado sob chassis Volvo B58. 

Uma semana após a inauguração dos veículos articulados, publicamos matéria acerca das reclamações dos passageiros em relação às linhas Circular, que operavam para a Beira Mar. Segundo eles, a superlotação era o principal problema e a solução seria a introdução de sanfonados à linha. Cinco dias após a publicação, a Prefeitura de Fortaleza incluiu ônibus articulados às linhas Messejana-Barra do Ceará (Perimetral) e Barra do Ceará-Cais do Porto (Leste-Oeste), atendendo às áreas litorâneas. 

As novas linhas causaram tumulto, aglomerando um grande número de passageiros aguardando os sanfonados, apesar de existirem outros ônibus que faziam o mesmo percurso. Para a maioria dos usuários, a medida foi benéfica, mas ressaltaram que o problema das lotações só seria solucionado com o aumento da frota dos veículos. 

Um articulado sendo testado na linha Grande Circular
Em julho de 2002, o SIT-Fortaleza completava 10 anos de funcionamento na capital. Naquele ano, justamente no mês de aniversário e sem muita coisa para comemorar, o então prefeito de Fortaleza Juraci Magalhães, anunciava o investimento de US$ 143 milhões em recursos para a melhoria do sistema de transportes da cidade.

Naquele momento, foi apresentado pela antiga Empresa de Trânsito e Transporte Urbano S/A (Ettusa), um novo sistema de transporte coletivo, com piso em nível e terminais de embarque e desembarque adaptados para deficientes. O ônibus articulado seria o principal equipamento e parte do projeto, que contaria com US$ 140 milhões em recursos do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID).

Ainda segundo o projeto, ar-condicionado e transmissão automática equipariam o veículo, que contaria com plataformas no mesmo nível da porta para garantir acesso universal a deficientes físicos, com espaço para transportar até quatro cadeiras de roda.

O projeto-piloto seria testado ainda em 2003 no corredor Antônio Bezerra- Papicu, percurso que vai da avenida Mister Hull até o terminal do Papicu, contando com a instalação de 52 estações de embarque e desembarque. O intuito era criar um modelo de transporte semelhante às estações da cidade de Curitiba (PR), mas adaptadas ao clima cearense. Naquele momento, o SIT Fortaleza contava com 1.174 veículos, transportando diariamente cerca de 900 mil passageiros.

O tempo passou e os planos mudaram, recentemente, os próprios usuários puderam escolher o primeiro corredor a ser instalado, ou melhor, faixa prioritária, que esperamos que sejam entregues num futuro bem próximo, e que não fique mais como mais uma promessa. Enquanto aos articulados, sem previsão.

São José testando ônibus Volvo articulado na configuração do BRT
Em 2014, a Empresa São José colocou pela primeira vez, novos ônibus Volvo articulados para testes com passageiros do sistema urbano de Fortaleza. Os usuários da linha Parangaba/Papicu/Oliveira Paiva (41) foram agraciados com esta novidade, pois puderam desfrutar de uma viagem mais confortável até seus respectivos destinos.

Além da capacidade maior de transporte que o ônibus articulado proporciona, o principal responsável por este conforto é o ar condicionado, item imediatamente percebido ao embarque dos passageiros. Durante o trajeto entre os terminais de Parangaba e Papicu, não faltaram elogios entre os usuários que embarcavam no veículo. Alguns surpresos com o ônibus diferenciado questionavam ao cobrador, que por sua vez, também elogiava a iniciativa da empresa por antecipar melhorias para o nosso transporte público.

O embarque no articulado climatizado está sendo realizado pela porta traseira, mantendo as característica dos ônibus convencionais da cidade, entretanto, as quatro portas do lado esquerdo não estão sendo utilizadas devido à ausência de plataformas elevadas que são típicas das estações BRT.

Em breve, Fortaleza vai contar com ônibus semelhantes a este que realiza teste na linha 41, mas enquanto essa realidade não chega, podemos experimentar a sensação de viajar pela cidade a bordo de um ônibus igual aos que já circulam nos grandes centros urbanos do País.

Fase de implantação do primeiro corredor BRT de Fortaleza
A implantação do BRT Antônio Bezerra/Centro resultará em uma mudança da infraestrutura no transporte. Com o BRT, o transporte coletivo ficará mais rápido. Em alguns trechos a velocidade vai triplicar e a velocidade média duplicará.

O corredor Antônio Bezerra/Centro é a primeira etapa do BRT Antonio Bezerra/Papicu que será implantado em duas fases. A primeira etapa liga o Terminal Antônio Bezerra ao Centro, por meio da Avenida Bezerra de Menezes. Esse primeiro trecho independe da finalização da obra no entroncamento das Avenidas Engenheiro Santana Júnior e Antônio Sales, que será utilizado somente na implantação da segunda etapa do corredor que ligará o Terminal Antônio Bezerra ao Terminal do Papicu, serão construídos 70 novos quilômetros de corredores expressos de ônibus.

O Ministério das Cidades criou três escalas para classificar a intensidade do BRT: leve, médio e pesado. A implantação na Capital cearense seguirá os padrões intermediários. O serviço que será implantado em Fortaleza possui um sistema mais flexível.

A flexibilidade vai ocorrer no sentido dos embarques e desembarques. Os BRTs terão duas portas para a entrada e saída de passageiros, uma na parte direita do ônibus e outra na esquerda. Isso por que haverá trechos que os coletivos vão passar por estações instaladas do lado esquerdo da via, no canteiro central, como a avenida Bezerra de Menezes, e em outras pelo lado direito, como em vias de sentido único. 

Os BRTs terão ar-condicionado, característica que servirá para os passageiros não subirem, nem descerem degrau no acesso ao ônibus. De acordo com a Empresa de Transporte Urbano de Fortaleza (Etufor), a tarifa cobrada nos coletivos locais serão a mesma utilizada no novo serviço.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

O Fortalbus se reserva no direito de selecionar os comentários.

© 2010-2016. Fortalbus Busólogos - Todos os direitos reservados