quarta-feira, 24 de dezembro de 2014

Livro reúne histórias dos 140 anos do transporte público no Ceará

Ao longo dos anos o transporte coletivo passou por diversas modificações. Seja a decoração externa, o vale-transporte e até mesmo o valor da passagem, os ônibus guardam lembranças e marcam gerações. Ao pesquisar sobre a história dos coletivos do Ceará, muito pode-se conhecer sobre Fortaleza, cidades do interior e personagens que compõem essa história. Para arquivar todo esse memorial, a Federação das Empresas de Transportes Rodoviários do Ceará (Cepimar) reuniu os 140 anos de ônibus percorrendo as estradas da cidade do Ceará em um livro.

A instituição iniciou a pesquisa sobre o transporte público em 1999, através de levantamento de arquivos públicos, notícias em jornais e depoimentos. As investigações, além de estarem à disposição do público na sede do Sest Senat em Fortaleza, também são utilizadas em exposições para trabalhadores, empresários e para o público em geral. “A gente reuniu todo esse material, cerca de 50 mil documentos, e tivemos a ideia de transformar em um livro para que as pessoas pudessem ter acesso a toda essa história”, explica a socióloga Josenira Unias.

O livro é dividido em seis capítulos, abordando a criação das estradas no interior do Ceará, o extinto caminhão misto, que transportava pessoas e mercadorias, o pau-de-arara com meio de transporte, São Cristóvão, o padroeiro dos motoristas, o transporte público em Fortaleza e a mudança arquitetônica da cidade, além de narrar a história da Federação das Empresas de Transportes Rodoviários do Ceará. A obra, que contém 230 páginas, demorou oito meses para ser produzida e finalizada.

Além de Josenira Unias, a obra contou com a colaboração de Manoel Paulino Neto na pesquisa, textos e coordenação de pesquisa de Patrícia Menezes e revisão de Aida Eskinazi e Gilmar de Carvalho. Já a capa e projeto gráfico foram compostos por Gustavo Pinheiro Ribeiro e Rafael Frota Oliveira. O prefácio foi feito pelo pesquisador e escritor Gilmar de Carvalho. “Ao trabalhar nesse projeto, refleti sobre a importância do transporte e pude perceber ele no sentido coletivo mesmo. Como usuário, a gente só vê um lado, mas vendo o lado da federação pude entender melhor como as coisas funcionam, desde a questão política até a legislação”, relata Josenira.

Uma das histórias curiosas que compõem o livro é o cordel produzido por um motorista de ônibus narrando “A briga do cobrador bate-asas com a nega do Pirambu”. A história também está disponível no Salão do Trabalhador, localizado na sede do Sest Senat. Durante a pesquisa do livro, o motorista foi entrevistado e, de início, negou a autoria do cordel. “Isso não existe, foi um amigo que queria brincar comigo e acabou falando isso”, brinca relembrando. Mas, após a insistência dos pesquisadores ressaltando a importância da documentação da histórica, ele acabou aceitando e assumindo a autoria.

A transformação da arquitetura de Fortaleza e  a mudança de tecnologia também permeiam entre as histórias contadas no livro. “A gente veio de um momento que não existia nem catraca, até elas existirem, teve a chegada dos terminais, as diferentes pinturas de ônibus, os ônibus sanfonados, além de conhecer como era a época dos bondes, ônibus elétricos e suas histórias engraçadas. Foi uma pesquisa muito rica”, assume Josenira. Um motorista entrevistado apontou o ônibus elétrico como inviável, pois ele não conseguia fazer a curva convencional, além de acontecer casos de choque e de faltar energia e o ônibus parar no meio da rua. Devido a essa inviabilidade, os coletivos elétricos duraram menos de 5 anos em Fortaleza e foram vendidos para Recife.

A obra conta com pesquisas do século 19 até os dias atuais, além de mostrar a lei mais antiga que regulamenta o transporte no Ceará: a solicitação de empresários do transporte para abrir uma estrada em Maranguape para passar o que na época chamavam de “omnibus”, de 1867. O livro “De Ônibus” está disponível na Biblioteca Pública Dolor Barreira, no Dragão do Mar, no próprio acervo da Federação dos Transportes Rodoviários (Cepimar), além das escolas que visitaram a fundação através do programa “Pela Janela do Ônibus”. No acervo atual da Cepimar há mais de 60 mil registros, incluindo fotos e legislação, disponíveis para visitação e pesquisa.
Com informações: Tribuna do Ceará

2 comentários:

  1. O livro pode ser comprado na própria Cepimar, para saber maiores informações entre em contato pelo telefone: (85) 3261-7066

    ResponderExcluir

O Fortalbus se reserva no direito de selecionar os comentários.

© 2010-2016. Fortalbus Busólogos - Todos os direitos reservados