terça-feira, 16 de dezembro de 2014

Raio X: Terminal Conjunto Ceará é fechado por cinco horas em protesto

A semana começou complicada para os usuários de transporte público de Fortaleza. Um grupo de motoristas da empresa Siará Grande fechou o terminal de ônibus do Conjunto Ceará durante cinco horas, entre 3h e 8h, desta segunda-feira. A paralisação prejudicou os 70 mil passageiros que circulam pelo terminal diariamente.

Com a liberação do terminal para as frotas de outras empresas, os passageiros continuaram sendo afetados, pois os ônibus da Siará Grande, que representam 80% da frota daquele equipamento, continuaram parados. De acordo com a administração do terminal do Conjunto Ceará, até o fim da tarde de ontem os motoristas continuaram de braços cruzados e, os ônibus da companhia em questão, parados no estacionamento.

Para diminuir o prejuízo aos usuários, veículos de outras empresas foram utilizados para cobrir as rotas pelas quais a Siará Grande é responsável.
 
Motivo do protesto
O motivo, segundo o coordenador do movimento, Kerginaldo da Costa, foi contra a sua demissão da empresa ocorrida há dez dias. Além disso, ele conta que recebeu ameaça de morte por parte de um gerente da Siará Grande, que teria inclusive contratado um pistoleiro para isso. "Fiz Boletim de Ocorrência (B.O.) no 5º Distrito Policial, na Parangaba", afirma.

O início do protesto aconteceu quando alguns motoristas da Siará Grande pararam os ônibus, impedindo a entrada de veículos das empresas que trafegam pelo terminal. O terminal ficou fechado até às 8h, quando um grupamento do Comando Tático Motorizado (Cotam), da Polícia Militar, comandado pelo capitão Lutiani Rodrigues, com 24 homens, chegou ao terminal e conversou com a liderança do movimento, requisitando a reabertura do terminal. "Nossa intenção é evitar confrontos e proteger o cidadão, tanto motoristas quanto usuários e o patrimônio", explica o capitão.

Depois disso, o terminal foi reaberto apenas para as outras linhas de ônibus das empresas que circulam por ali. Os da empresa Siará Grande permaneceram parados. A empresa é responsável por 80% da frota de veículos de ônibus que circula pelo equipamento. Ao todo, foram 116 carros parados até o momento e 232 funcionários, entre motoristas e cobradores.

Alternativa para os passageiros
Os outros 20% da frota que atendem aos passageiros são das empresas São José, Santa Maria, Dragão do Mar e Fretcar. Uma alternativa encontrada pela população foi utilizar as paradas de ônibus do entorno do terminal.

"Estou aqui há mais de duas horas e nada até agora. O engraçado é que os motoristas fazem o protesto e quem paga a conta é a população", desabafa a digitadora Claudiane Laurentino Furtado, que aguardava o ônibus.

Outra que também estava indignada com a situação foi a zeladora Andreia Barbosa dos Santos. "Acho um absurdo. Toda vez é assim. Já perdi meu ponto e acho que um dia de trabalho por conta disso", reclamou a usuária de transporte público.

O chefe da unidade do terminal do Conjunto Ceará, Neurides Sousa, explica que a Empresa de Transporte Urbano de Fortaleza (Etufor) teve que trazer ônibus de outros terminais para não deixar os usuários ainda mais prejudicados. "Nossa estratégia está dando certo, e os passageiros estão podendo seguir viagem", analisa.

O Sindicato dos Trabalhadores em Transportes Rodoviários no Ceará (Sintro) afirma que o protesto não tem qualquer ligação com a entidade.

Em nota, a Empresa de Transporte de Passageiros do Estado do Ceará (Sindiônibus) manifesta publicamente o seu repúdio "à atitude irresponsável de paralisação, ocorrida na manhã desta segunda-feira, no terminal do Conjunto Ceará". Ainda segundo a entidade, "por ser uma prática ilegal e um desrespeito à população e aos trabalhadores, o Sindiônibus tomará medidas legais cabíveis para responsabilizar os feitores dessa prática absurda e infundada".

Segundo o assessor jurídico do Sindiônibus, Cleto Gomes, a denúncia sobre a ameaça de morte foi investigada e não há confirmação de nada. "Ele faltou com a verdade, porque foi demitido por justa causa e ainda exigiu a demissão do funcionário. Vamos pedir, inclusive, a prisão preventiva dele (Kerginaldo) para que não volte a praticar esse ato ilegal", ressalta.

Segundo o Sindiônibus, 90 dos 116 veículos que circulam no terminal ficaram parados durante todo o dia, sendo que 20 deles tiveram o pneu furado.
Com informações: Diário do Nordeste

Nenhum comentário:

Postar um comentário

O Fortalbus se reserva no direito de selecionar os comentários.

© 2010-2016. Fortalbus Busólogos - Todos os direitos reservados