sábado, 10 de janeiro de 2015

A violência no transporte coletivo de Fortaleza continua assustando os passageiros

Nos primeiros dias de 2015, 2 casos graves já foram registrados.  No começo da semana, um trocador foi baleado durante assalto. Na última quarta-feira (07), um bandido foi atingido por tiros pelos próprios passageiros; uma mulher também acabou ferida.

Cenas como estas foram vivenciadas em 2014. O ano foi marcado por milhares de assaltos a motoristas, cobradores e passageiros. De acordo com o Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros do Estado do Ceará (Sindiônibus), 1.716 ocorrências foram registradas no transporte público, em 2014, o que dá uma média de 5 por dia.

Os passageiros andam assustados e tentam se previnir como podem. "Toda horário, agora, é perigoso. É 7h da manhã, é meio-dia (...)", desabafa a cozinheira Eliana Rocha.

Número maior
Já o Sindicato dos Trabalhadores em Transportes Rodoviários do Estado do Ceará (Sintro/CE) afirma que não tem um dado oficial sobre as ocorrências dentro dos coletivos, mas a direção garante que, somente em 2014, os assaltos ultrapassaram os 2 mil casos. Esse número ainda deve ser maior, já que muitas dessas situações não chegam ao conhecimento da polícia.

"Esses são os (casos) que são feitos B.O. onde assaltam cobrador e motorista. Os usuários, arrastões permanentes todos os dias, não são feitos B.O. e os poucos (feitos) não são registrados no Ciops nem no Sindiônibus", esclarece o diretor do sindicato, Tobias Brandão.

Segundo Sintro/CE, as medidas de segurança não estão sendo cumpridas ou não estão sendo eficientes. "O efetivo disponibilizado para a área de segurança é pouco mais de 200 homens", afirma o diretor do sindicato, Tobias Brandão.

"A própria implantação do vale-transporte/crédito eletrônico já facilita tanto a questão do embarque e desembarque, como também diminui a circulação de dinheiro nos veículos", explica o superintendente técnico do Sindiônibus, Pessoa Neto.

Ele ainda acrescenta, "nós temos a colocação de câmeras de vídeos nos veículos. Toda a frota de Fortaleza é rastreada via GPS e dotada de cofre. Ou seja, o cobrador é orientado a ficar, no máximo, com R$ 50 na mão dele para facilitar o troco. O restante tem que ser colocado no cofre".
Com informações: Tv Diário

Nenhum comentário:

Postar um comentário

O Fortalbus se reserva no direito de selecionar os comentários.

© 2010-2016. Fortalbus Busólogos - Todos os direitos reservados