quarta-feira, 28 de janeiro de 2015

E voltamos ao lema da passagem de ônibus em Fortaleza: “não é só por R$ 0,20 centavos”

Por João Antonilson de Sousa Filho
A notícia divulgada no dia 13/1 informando os fortalezenses quanto o aumento da passagem de ônibus de R$ 2,20 para R$ 2,40 não foi recebida com muito entusiasmo. Já era de ser esperado, pois as empresas que realizam o serviço intermunicipal anunciaram e inclusive anteciparam a cobrança do valor reajustado da passagem nos últimos dias de 2014. Esta gerando reclamação por parte dos usuários e até resultou em investigação por parte do Detran-CE.

Apesar do aumento na capital, segundo levantamento, Fortaleza ainda é umas das capitais com a taxa de passagem de ônibus mais baixa em comparação com cidades como Recife (R$ 2,45), Boa Vista (R$ 2,80), Curitiba (R$ 2,85), Porto Alegre (R$ 2,95), Belo Horizonte (R$ 3,10), Salvador (R$3), Rio de Janeiro (R$3,40) e São Paulo (R$3,50).

O episódio até fez ressurgir nas redes sociais fala do então prefeito Roberto Cláudio (Pros) afirmando que manteria o valor da passagem de ônibus em R$ 2,00 no período de campanha ao pleito municipal. O fato é que a utilização do transporte público é a cada dia uma batalha constante tanto para aqueles que obrigatoriamente têm com este o único meio de locomoção, quanto os que usam esporadicamente. Esse serviço deveria ser prestado de forma eficiente e de qualidade para a população, mantendo o bem estar de quem precisa.

Pelo contrário, situações como roubo, furto, latrocínio, perturbação da paz pública, depredação do patrimônio público, lesão corporal, entre outros delitos, que poderiam engordar ainda mais esse artigo, se tornaram rotina dos usuários. Basta ler os jornais locais ou assistir o noticiário arroz com sangue para perceber. No entanto, esses acontecimentos, somados as manifestações de julho de 2013 (reunindo a participação dos alunos secundaristas) parecem ser meras lembranças das empresas concessionárias prestadoras desse serviço e seus acionistas.

O poder público até fez sua parte em ação iniciada pela Secretaria de Segurança Pública deslocando policiais militares para realizarem patrulhamento no interior dos terminais, em tentativa de conter a prática de delitos no período da Copa do Mundo e a reunião do Brics. Perdurou ainda alguns meses e hoje não se vê a cor deles.

Nada mais digno para nós contribuinte termos um o serviço de transporte público de qualidade, sem as filas enormes nos terminais, os ônibus superlotados e a insegurança nas viagens diárias. Só assim poderíamos exercer o nosso direito de ir e vir. Em caso adverso a população voltará às ruas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

O Fortalbus se reserva no direito de selecionar os comentários.

© 2010-2016. Fortalbus Busólogos - Todos os direitos reservados