terça-feira, 10 de fevereiro de 2015

Com diesel mais caro, empresas de ônibus têm alta de 1,3% nos custos

Com o aumento do diesel em R$ 0,15 (6,5%), no último domingo, as companhias de ônibus urbano elevaram em cerca de 1,3% o custo de suas operações, segundo calcula o presidente do Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros do Estado do Ceará (Sindiônibus), Dimas Barreira. Ele adianta que ainda não há intenção de pedir reajuste extraordinário, mas o percentual é um impacto “muito relevante” para a categoria e prejudica “ainda mais” os investimentos do setor.

“Se houver novo reajuste, pode não haver outro recurso (referindo-se a um aumento extraordinário), mas esperamos que não ocorra. Esse aumento de agora temos que segurar. O trauma político para se tratar novo reajuste em tão pouco tempo é tremendo”, afirma.

Marcos Bicalho, diretor administrativo da Associação Nacional das Empresas de Transportes Urbanos (NTU) estima que os custos podem chegar a 1,5% caso o diesel chegue ao patamar de 7% de elevação no preço.

“Tem cidade em que esses reajustes podem ser cobertos. Eu acredito que no caso de Fortaleza, como já houve reajuste não haverá aumento de tarifa. Não tem muito sentido você ter reajuste de um mês para o outro”, avalia.

Ônibus intermunicipal
Para as empresas de ônibus intermunicipais, o aumento do diesel foi de 7%. Essa elevação equivale a um custo de 2,1% para as companhias.

Entretanto, o presidente do Sindicato das Empresas de Transporte Coletivo Intermunicipal e Interestadual do Ceará (Sinterônibus), André Eskinazi, acredita que o preço do diesel ainda vai baixar. Ele entende que, depois da alta, as distribuidoras irão absorver parte do impacto com importação – o que espera resultar numa baixa de 0,5 ponto percentual com relação ao nível atual. “Outras distribuidoras devem absorver algo, diminuindo o preço dos combustíveis, com a importação”.

No caso das tarifas dos ônibus intermunicipais também não haverá aumento extraordinário, devendo ser alteradas no reajuste anual, em 1º de agosto. Porém, conforme informa o gerente técnico da Expresso Guanabara, Raul de Castro Girão, a empresa já pode tomar a medida de reduzir a oferta de horários extras de seus veículos.

A estimativa dele é que haja uma continuação do aumento de preços dos combustíveis. “Em função da conjuntura nacional, visto que o petróleo a nível mundial estar caindo o preço, complementa.

Saiba mais
O óleo diesel representa 20% dos custos das empresas de ônibus urbano. Atrás apenas das despesas com mão de obra, que representam 30% dos gastos dessas companhias.

O reajuste da tarifa dos ônibus interurbanos é realizado no começo de cada ano. Já o dos ônibus intermunicipais se dá anualmente em agosto

Por lei, as empresas podem pedir revisão extraordinária da tarifa de ônibus em função de aumento significante no preço do insumo (combustível).
Com informações: O Povo

Nenhum comentário:

Postar um comentário

O Fortalbus se reserva no direito de selecionar os comentários.

© 2010-2016. Fortalbus Busólogos - Todos os direitos reservados