segunda-feira, 1 de junho de 2015

Mascarello comemora 12 anos na estrada do sucesso

Por Fortalbus
A Mascarello, com sede em Cascavel-PR, inaugurou sua linha de montagem em 30 de Maio de 2003. Tudo começou quando o leilão da massa falida da Incasel, no final dos anos 70, chamou atenção da diretoria da Comil para o setor de fabricação de ônibus, uma área desconhecida até então para uma empresa dedicada inteiramente a equipamentos de grãos. A partir da aquisição das antigas e originais da extinta montadora gaúcha, surgiu a primeira experiência da Mascarello no segmento da indústria automotiva.
Empresa resultante da cisão da Comil, firma de controle familiar fabricante de carrocerias de ônibus e vice-líder brasileira no segmento de silos agrícolas. No contrato de divisão dos negócios, firmado no ano 2000 pelos controladores da empresa, as famílias Mascarello e Corradi, ficou acordado que à primeira caberia a Comil Silos e Secadores, e aos Corradi o negócio das carrocerias (que também levava a marca Comil). 
Em 2002, mantendo a atuação no setor agrícola, a família Mascarello decidiu retornar ao ramo de veículos, criando a Mascarello Carrocerias e Ônibus Ltda.. A fábrica de carrocerias foi construída em Cascavel (PR), ao lado da unidade de equipamentos agrícolas. Inaugurada em maio de 2003, foi a primeira indústria paranaense do setor.

Seus dois primeiros lançamentos foram veículos de pequeno porte, os microônibus GranMini e GranMicro, respectivamente para turismo e transporte coletivo e escolar, dos quais, ainda naquele ano, foram vendidas cerca de 300 unidades. No início de 2004 foi apresentado seu primeiro urbano, o GranVia, para chassis convencionais de 11,0 e 12,0 m com motor dianteiro ou traseiro, e em maio o GranMidi, para os recém lançados chassis urbanos médios. 

Apresentado nas versões urbana e fretamento, o GranMidi trazia design limpo e moderno, com nova grade, grandes para-brisas curvos e caixa de itinerários interna. Foi extremamente rápido o crescimento da Mascarello, permitindo-lhe produziu mais de mil carrocerias nos seus dois primeiros anos de existência, 15% das quais exportadas para sete países da América Latina.

No final de 2005, coincidindo com a produção do carro nº 1.500, foi a vez do lançamento do GranFlex, seu primeiro rodoviário. Concebido para operar em curtas e médias distâncias, era dotado de bagageiro, janelas coladas e ar condicionado sobre o teto (os dois últimos como opcionais). Próprio para chassis com motor dianteiro ou traseiro, estava disponível em quatro versões de comprimento, entre 9,0 e 12,8 m. 

A diversificação de modelos continuou em 2006: o GranMicro recebeu nova grade e foi reposicionado no catálogo da Mascarello, passando a situar-se entre o mini-ônibus GranMini e o GranMidi; este, por sua vez, ganhou uma versão maior e mais convencional, com para-brisas menores, caixa de itinerários externa e opção de 12,0 m comprimento, rebatizada GranVia Midi.

Naquela altura, o urbano GranVia já estava preparado para receber quaisquer chassis disponíveis no mercado, inclusive articulados, de piso baixo e entrada baixa. Finalmente, em 2007 a empresa completou a linha de produtos com seu primeiro rodoviário para longas distâncias, chamado Roma 350, com 3,5 m de altura e capaz de receber qualquer chassi de dois ou três eixos, com motor central ou traseiro e até 15,0 m de comprimento. 

Além dos itens tradicionalmente encontrados na concorrência, tais como vidros colados, ar condicionado e bagageiros passantes, o modelo da Mascarello trazia algumas características únicas: altura interna de 1,98 m, poltronas com revestimento anti-chamas, degraus de acesso iluminados e mais largos, estepe montado na vertical, abrindo espaço para bagagens, iluminação interna com leds e, opcionalmente, faróis com lâmpadas de xenon.

No Ceará não poderia ser diferente. As carrocerias vem conquistando cada vez mais os empresários, graças ao compromisso com inovação e a constante evolução tecnológica de seus ônibus. O primeiro Mascarello do Ceará, foi adquirido pela Empresa São Benedito, um GranVia montado sob chassi Volkswagen 17-210 OD.

No Interior do Ceará, as Empresas Pernambucana e Trans Ceará (Juazeiro do Norte) adquiriram o modelo Gran Flex, equipados com chassis Volkswagen 17-210 e 15-180. Em 2008, a Penha de Maranguape adquiriu duas unidades. Um Gran Micro e um Gran Midi, prefixos 295 e 300, respectivamente, ambos Mercedes-Benz. Com o rodoviário Roma MD, a Mascarello entregou 18 unidades à São Benedito, logo depois duas unidades para a empresa Litorânea, todos com Volkswagen 17-230 EOD.
    
O Governo do Estado também adquiriu um Roma, este com Mercedes-Benz O-500R, entregue ao Corpo de Bombeiros, e 247 ônibus nos modelos Gran Mini e Gran Midi destinados, exclusivamente, ao transporte escolar na rede pública na zona rural do estado. Ainda em 2009 a Mascarello ganha destaque entre os urbanos da Capital. 

Empresários do setor apostaram no modelo Gran Midi. A Viação Timbira adquiriu 25 unidades, sendo eles 10 Mercedes-Benz OF-1722, 5 Volkwagem 17-230 e 10 15-190. Já a Empresa São Benedito adquiriu 12 unidades, todos 17-230 e a Transpessoa com um único veiculo OF-1418. Em 2010, a Empresa Montenegro incorporou à sua frota 4 unidades, todos OF-1722, assim como a Empresa Aliança com veículos OF-1722.

Essas foram apenas as primeiras compras, depois disso várias renovações foram feitas com Mascarello, sendo o primeiro veículo articulado do BRT Fortaleza, e a primeira aquisição de 2015.

Com o passar dos anos, as empresas continuaram renovando suas frotas com Mascarello, a encarroçadora vem ganhando cada vez mais espaço entre as tradicionais empresas e se tornando cada vez mais forte sua presença nas cidades e estradas do país, principalmente no Ceará.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

O Fortalbus se reserva no direito de selecionar os comentários.

© 2010-2016. Fortalbus Busólogos - Todos os direitos reservados