domingo, 9 de agosto de 2015

Viação Itapemirim: Camilo Cola, um homem que lutou muito e construiu um império

Por Paulo César Dutra
Após a guerra, em 1948, com um único ônibus, ele se dedicou ao transporte de passageiros entre Castelo e Cachoeiro do Itapemirim dando início ao sucesso empresarial

O empresário e político Camilo Cola, de origem pobre, filho de imigrantes italianos, foi lavrador, lavador de carros e aos dezoito anos foi combater na Itália junto com a Força Expedicionária Brasileira - FEB. Nascido em Conceição do Castelo, 26 de julho de 1923, quando voltou da guerra, comprou seu primeiro veículo motorizado, um caminhão, para transportar cargas e passageiros. Em fins de 1948, associou a um comerciante na criação da Empresa de Transporte Autos - ETA. Ela tinha um único ônibus e Camilo se dedicou ao transporte de passageiros entre Castelo e Cachoeiro do Itapemirim, dando início ao império a que veio a se tornar o Grupo Itapemirim.

O ônibus solitário foi multiplicado por três no ano seguinte e em 1950 a frota já era de dez veículos. Mais um ano e a ETA partia para a fusão com outras duas empresas de ônibus, surgindo então, em 4 de julho de 1953, a Viação Itapemirim Ltda. Tinha frota de 16 ônibus. A manutenção e os reparos eram feitos exclusivamente na oficina mecânica da empresa, que funcionava num barracão alugado. Não havia indústria automobilística brasileira na época e tampouco serviços de assistência técnica para os veículos importados. O mercado de peças de reposição era escasso e concentrado nas cidades do Rio e de São Paulo.Camilo era casado com dona Inêz, falecida em 2008.

Para garantir a expansão dos negócios, estendeu as linhas da empresa a todo o Norte do Espírito Santo. As condições de operação eram difíceis, pois as estradas eram muito precárias. Foi com a mesma disposição que a empresa conquistou suas primeiras linhas interestaduais: Cachoeiro do Itapemirim - Campos, Cachoeiro do Itapemirim - Niterói e Vitória-Rio de Janeiro. A seguir, voltou suas atenções para o sul da Bahia e, logo, assumiu também as ligações Rio de Janeiro-Salvador e Rio de Janeiro - Brasília.

A operação simultânea de linhas intermunicipais e interestaduais foi mantida por algum tempo, mas Camilo percebeu que para não travar o crescimento da Itapemirim teria de liberar a empresa do segmento intermunicipal. Assim, no início da década de 70, vendeu todas as linhas do norte capixaba e foi de novo às compras. Adquiriu duas linhas de Pernambuco para o Rio de Janeiro, além de outras ligações entre capitais nordestinas e o sul do país. Com isso, a companhia adquiriu, definitivamente, cara nacional. E foi nessa condição que, em 1973, depois de negociações que duraram mais de meio ano, conseguiu incorporar uma das grandes empresas.

Em 1980, adquiriu a única, empresa que fazia a ligação Rio de Janeiro - São Paulo, tornando-se, então, a Itapemirim, a maior empresa de transporte rodoviário de passageiros do país e da América Latina, além de uma das maiores do mundo.

A partir de 1960, a empresa deu início a uma política de valorização crescente aos chamados itens de conforto. Criou o ônibus Rodonave, de tipo leito, equipado com ar-condicionado e sanitário químico. Em 1977 lançou o ônibus executivo, de 32 lugares, com poltronas mais espaçosas, ar-condicionado e todo o conforto que a tecnologia da época permitia incorporar.

Em 1981, começou a produzir suas próprias carroçarias em Cachoeiro do Itapemirim, sob a marca Tecnobus, criando um produto absolutamente diferenciado, o Superbus. Mais do que isso, abriu caminho para o lançamento, no ano seguinte, do modelo Tribus, com três eixos, que incorporava as mais recentes conquistas da engenharia automobilística, entre elas a suspensão a ar e o tratamento acústico que reduziu significativamente os níveis de ruído interno. Ou seja: aumentou o conforto dos passageiros. Posteriormente a Itapemirim desenvolveu mais duas versões Tribus II e III.

Passados quase 70 anos desde que começou a atuar na área de transporte, Camilo Cola constata, com satisfação, que o setor avançou muito, estando hoje à altura dos melhores do mundo. O desenvolvimento tecnológico alcançado pelas empresas e a evolução dos nossos ônibus são pontos de destaque.  Camilo Cola cumpriu dois mandatos eletivos como deputado federal no período de 2007-2011 e de 2011-2015, ambos pelo PMDB.

3 comentários:

  1. e uma pena que os flhos ambiciosos conseguiram destruir em menos de cinco anos o patrimônio de quase setenta anos que o senhor camilo cola conseguiu fundar sozinho.

    ResponderExcluir

O Fortalbus se reserva no direito de selecionar os comentários.

© 2010-2016. Fortalbus Busólogos - Todos os direitos reservados