sexta-feira, 13 de novembro de 2015

Usuários registraram mais de 10 mil reclamações de ônibus em Fortaleza

Entre janeiro e outubro de 2015, foram registradas 10.453 reclamações de usuários ônibus, uma média de 1.045 denúncias por mês, através dos canais de comunicação do Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros do Estado do Ceará. (Sindiônibus). O número, porém, apresenta queda de 22,1%, comparado ao mesmo período do ano passado, quando foram contabilizadas 13.426 ligações de passageiros insatisfeitos com os serviços do transporte público. 

Passar do ponto (“queima”de parada), condução perigosa e problemas no embarque e desembarque de passageiros são as principais reclamações dos usuários. “Não existe nada que me deixe mais irritada do que motorista de ônibus que ignora o meu sinal e passa direto pela parada”, reclamou a diarista Rita Batista. Para ela, o mais grave, além do atraso que a “queima de parada” gera, é o desrespeito com a população. “A viagem é longa e desconfortável nos horários de pico. Isso a gente aguenta, né? É o jeito. Mas, ficar ali na parada, às vezes se arriscando a ser assaltada, e o motorista fingir que não te viu e passar direto, é demais, é muita falta de respeito com o trabalhador”, critica a diarista. 

Na opinião da secretária Joana Martins, o reajuste na tarifa de ônibus pode acompanhar os aumentos que o setor de transporte enfrentou nos últimos anos. No entanto, para ela, os antigos problemas continuam, embora reconheça que algumas mudanças foram positivas. “Acredito que os ônibus com ar-condicionado foram uma boa aquisição. As faixas exclusivas facilitaram o itinerário. O sistema integrado do Bilhete Único também ajuda. Agora, os ônibus continuam lotados e não há fiscalização suficiente para garantir a prioridade de idosos e mulheres gestantes ou com crianças de colo. Além do risco de assaltos, existe, ainda, a questão do assédio dentro do transporte. Toda mulher passa ou conhece alguém que já passou por isso (assédio). Faltam muitas coisas para nos sentirmos seguras e confortáveis”, avaliou Joana. 

Medidas
O Sindiônibus, através de Gerência de Operações, possui controle estatístico de todas as ocorrências e reclamações registradas. Diariamente, ressalta o sindicato, as ocorrências são informadas às empresas para que apurem os fatos e apresentem as providências tomadas. 

Segundo o Sindiônibus, semanalmente a Gerência de Operações realiza palestras com os operadores, informando acerca das normas e da legislação que trata do transporte, a fim de que todos estejam cientes das regras e das consequências decorrentes das infrações. “Também é realizado acompanhamento das respostas dadas pelas empresas, para fins de avaliação da eficácia das medidas adotadas”, informa o sindicato. 

Quando se trata de reclamações relativas à oferta do serviço – lotação, atrasos, baixa frequência – o assunto é repassado para a Gerência de Planejamento, que realiza os estudos técnicos para avaliar a compatibilidade entre oferta e demanda, tempo de viagens, frequência e etc. “Quando são identificadas incompatibilidades, a Gerência de Planejamento encaminha proposta à Etufor, com todo o embasamento técnico, para que tais incompatibilidades sejam sanadas”, afirmou o Sindiônibus. 

Comunicação
O Sindiônibus disponibiliza três canais de comunicação com o usuário: O Alô Sindiônibus (4005.0956), o Fala Fortaleza (0800.285.0880) e, ainda, os auxiliares de operações, conhecidos pela o fardamento verde, localizados nos terminais, finais de linha ou pontos sugeridos pelos próprios usuários.
Com informações: O Estado

Nenhum comentário:

Postar um comentário

O Fortalbus se reserva no direito de selecionar os comentários.

© 2010-2016. Fortalbus Busólogos - Todos os direitos reservados