sábado, 19 de dezembro de 2015

Ex-funcionários de Empresa São José de Ribamar cobram pagamento de rescisões

Ex-funcionários de uma empresa de ônibus que operou até 2012 em Fortaleza, a São José de Ribamar, cobram o pagamento de rescisões de contratos de trabalho. A São José de Ribamar deixou de operar e atender as 17 linhas que cobria, após perder a licitação para explorar os serviços de transporte público na Capital cearense.

De acordo com Paulo Roberto da Silva, 26, ex-cobrador da empresa, foi dada baixa na Carteira de Trabalho e Previdência Social (CTPS) dos funcionários no dia 30 de junho de 2012, mas até hoje os pagamentos não teriam sido devidamente efetuados.

Ainda segundo o ex-cobrador, que trabalhou na empresa durante dois anos e 11 meses, cerca de 250 a 270 funcionários demitidos foram afetados, pois a única remuneração recebida corresponde ao Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS). A empresa teria alegado que não tinha dinheiro suficiente para sanar as dívidas com os funcionários.

"Eles pagavam o nosso salário em dia. O FGTS foi depositado em uma agência na avenida 13 de maio, mas não recebemos aviso prévio indenizado, proporcional do décimo, férias, diferença salarial e 40% do FGTS", reclama Paulo Roberto.

Ele afirma que o caso foi levado para a Justiça e o pagamento deveria ser realizado a partir da venda de um terreno utilizado como garagem dos ônibus da empresa, localizado no bairro Vila União.

O terreno chegou a ser avaliado em mais R$ 3 milhões, porém houve contestação do valor por parte da empresa, que teria considerado o valor abaixo do apresentado por um oficial da Justiça Federal (R$ 9 milhões). 

A crise econômica também é apontada pelo denunciante como um empecilho para a venda do terreno. "Vira aquela bola de neve e, quanto mais os anos passam, mais a dívida cresce e o valor do terreno diminui", afirma.

O ex-cobrador, Leandro Cassiano, reitera o pedido e afirma que o terreno não passou por mais nenhuma avaliação, pois segundo ele, o oficial de justiça bate na porta do terreno, mas ninguém atende.

Além de motoristas e cobradores, lavadores dos coletivos e funcionários do escritório não receberam as rescisões de contratos de trabalho. 
Com informações: O Povo

Nenhum comentário:

Postar um comentário

O Fortalbus se reserva no direito de selecionar os comentários.

© 2010-2016. Fortalbus Busólogos - Todos os direitos reservados