terça-feira, 10 de maio de 2016

Comil: Ônibus que rodam pelo mundo

Por Larissa Paludo 
Adquirida em um leilão, há 30 anos, a empresa conta com uma capacidade produtiva de quatro mil veículos por ano e um quadro de 1,8 mil funcionários. A empresa, que contava com aproximadamente 400 funcionários, estava em crise e com dívidas atrasadas. O lance inicial para aquisição da Incasel era de 3,360 bilhões. Deoclecio Corradi ficou sabendo do leilão através de um anúncio no jornal Zero Hora. Ele chegou a Erechim um dia antes da negociata, visitou a fábrica e falou com algumas autoridades. A empresa foi disputada por dois grupos do Rio Grande do Sul, um do Paraná e um de São Paulo.

Com o dinheiro obtido no leilão foram quitadas todas as contas e impostos atrasados. O prefeito ofereceu, no momento do leilão, isenção de impostos durante dez anos, venda do terreno na área industrial a preço simbólico e todo o serviço de terraplanagem e infraestrutura.  A empresa foi arrematada por 4,410 bilhões. O que representou a esperança de mais de 400 funcionários na época da reabertura.

Após o leilão, os avanços da empresa
Em 1986, surge a Comil Ônibus, a produção contou inicialmente com 58 funcionários e produziu no primeiro mês apenas um veículo. Ao fim do primeiro ano da nova empresa, a produção era de 166. No ano de 1987, iniciaram-se as construções da nova indústria, no Distrito Industrial. A mudança da antiga fábrica para as novas instalações – no Distrito Industrial Irani Jayme Farina – se estendeu até 1991.

Já em 1988, foi lançado o primeiro veículo desenvolvido pela empresa, trata-se do Condottiere, que ficou por dez anos no mercado. Os lançamentos eram raros e ocorriam a cada dez anos em média, de acordo com a diretoria. Diferente de hoje, em que é preciso acompanhar as exigências do mercado e dos clientes.

Em 1991 surgiram os primeiros clientes internacionais. A Comil passou a exportar para Argentina e Chile. A empresa inovou em na linha de micros, em 1999.

No ano de 2004, a linha rodoviária da Comil consolidou-se como campeã de crescimento. Cerca de 200 unidades do modelo Campione foram exportadas para o Oriente Médio, uma das regiões que possui um dos maiores potenciais de compra de ônibus do mundo. Em 2006, a empresa solidificou a supremacia do seu rodoviário ao lançar o Campione HD 4.05, que oferece um moderno design, tecnologia e conforto.

Em 2011, a Comil apresentou um novo conceito de transporte de passageiros de alto padrão com a chegada do seu primeiro veículo double decker, o Campione DD. Já em 2013, houve o lançamento do novo design do Versatile(modelo interurbano da Comil). Ano passado, a empresa apresentou a Linha Invictus: rodoviários para médias e longas distâncias, nos modelos 1200 e 1050.

Dos silos para os ônibus e as dificuldades
O atual presidente do Conselho de Administração, Deoclecio Corradi, conta que não tinham noção do que estavam fazendo na época. “Não tínhamos nenhuma ideia de mercado, dos clientes, dos fornecedores, muito menos de como administrar. Só saberíamos que haveria muito trabalho e isso não nos assustava”. A entrevista conta no livro já citado.

Com a aquisição no leilão, a Comil, que atuava no segmento de silos, em Cascavel/ Paraná, entrou no nicho de ônibus. Com a mão-de-obra e a capacitação existente, a empresa optou por permanecer e desenvolver-se em Erechim. Para gerenciar a empresa, vieram de Cascavel, o engenheiro civil, Dairto Corradi e a contabilista Diones Corradi.

Uma das principais dificuldades enfrentadas, de acordo com Dairto, era a produção de ônibus de qualidade. Ele relembra que como a Incasel ficou dois anos parada e no início havia pouca experiência, os concorrentes já estavam bem avançados no mercado. Tudo era feito de maneira artesanal e para montar um ônibus completo levava-se cerca de 20 dias, processo que hoje é feito em três dias.

Dias atuais
A capacidade produtiva da empresa é de quatro mil ônibus por ano. São mais de 1,8 mil colaboradores em um parque fabril de 35 mil metros quadrados. A Comil é uma das principais fabricantes de ônibus do Brasil, com uma completa linha de ônibus rodoviários, intermunicipais, urbanos, midis e micros, a empresa está presente nas ruas e estradas de mais de 30 países.

No portfólio de produtos, destacam-se o micro Piá (urbano e rodoviário); Urbanos Svelto, Svelto Midi e Doppio; Rodoviários Versatile, Campione 3.25, Campione 3.45, Campione Invictus 1050, Campione Invictus 1200, Campione HD e Campione DD.

Perspectivas
Em 2016, a Comil completa 30 anos de história em Erechim. As expectativas econômicas, de acordo com o presidente, “não são animadoras, mas a intenção é que - com a volta à normalidade do mercado - possamos crescer cada vez mais, atingindo novos mercados e consequentemente conquistando novos clientes”.

Deoclecio acrescenta que a empresa está preparada para crescer, uma vez que, os investimentos e lançamentos dos últimos anos foram bem aceitos no mercado. “Hoje podemos dizer que nossa linha de produtos está atualizada, tanto no design quanto nas tecnologias empregadas na concepção e produção destes veículos”.

Para o presidente, a aceitação é reflexo do trabalho em conjunto de centenas de trabalhadores da região Alto Uruguai que contribuem para continuarem no caminho certo. “Só temos a agradecer a comunidade pelo apoio, dedicação e comprometimento com a Comil. Temos a certeza de que essa reciprocidade só trará benefícios e prosperidade para todos nós”, finaliza.

Um comentário:

O Fortalbus se reserva no direito de selecionar os comentários.

© 2010-2016. Fortalbus Busólogos - Todos os direitos reservados