quinta-feira, 16 de março de 2017

A luta da Viação Riograndense para sobreviver num sistema tão desigual

Por Fortalbus
Hoje a Volvo oferece uma completa linha de chassis rodoviários aos seus clientes. Os modelos, são reconhecidos pela robustez e alta disponibilidade, atendendo as operações de curtas distâncias e fretamento, até veículos adequados para aplicações severas, viagens longas ou por estradas que cortam serras. Uma gama de produtos disponíveis para recuperar o mercado das décadas 80 e 90, onde ocorreu o grande auge da Volvo no setor rodoviário.

O vizinho Rio Grande do Norte foi um grande exemplo desse auge, as empresas Viação Jardinense, Empresa Cabral, Viação Nordeste e a Viação Riograndense tinha uma forte presença dos produtos Volvo na década de 90. Muitas dessas empresas adquiriram os ônibus rodoviários Volvo contrariando a tendência geral do mercado, uma delas foi Viação Riograndense que opera linhas intermunicipais dentro do Rio Grande do Norte. A linha mais longa da Riograndense tem 147 km e liga Natal a Serra de São Bento. 

A trajetória da Riograndense começa em 1951, com dois ônibus GM com carroceria de madeira, tipo bonde, fazendo o percurso Natal x Nova Cruz, três vezes por semana. Em 1954, a frota da empresa era de oito veículos e em 1957, compravam o seu primeiro ônibus com chassi Mercedes-Benz. A relação da Riograndense com a Volvo começou em 1982, quando a empresa adquiriu os primeiros ônibus com chassi Volvo, desde então dezenas de unidades Volvo já fizeram parte da frota.

O motivo da escolha na época foi a falta de compreensão e sensibilidade da empresa em relação a um problema técnico surgidos com os motores dos seus veículos, que duravam menos de 100 mil km. "Toda vez que levamos o problema à empresa concessionária, esta dizia ser deficiência de manutenção. Com o mesmo tipo de manutenção, os veículos Volvo faziam cerca de 600 mil km sem haver nenhum problema de motor, caixa, eixo e cruzeta", enfatiza o fundador Sr. Vicente Alves Flor.

Na última década, a Viação Riograndense enfrentou várias crises financeiras, grande parte por conta da concorrência acirrada com o transporte complementar e os clandestinos que não sofrem nenhum tipo de fiscalização dentro do Rio Grande do Norte, tudo isso impossibilitou maiores investimentos. Mesmo assim, a Riograndense não se entregou e se reinventou sua operação, utilizando veículos mais ágeis, menores e compatível com suas linhas, reconquistando seu passageiros com a oferta de bons serviços.  

Em 2012, a Riograndense anunciava que estava encerrando as atividades no transporte urbano e metropolitano de Natal. A saída do sistema ocorreu devido às dificuldades financeiras para se manter no mercado, ocasionadas pela falta de incentivo financeiro do poder público, com tarifas incompatíveis com as despesas da empresa com manutenção e aquisição de novos veículos, do preço do combustível e salários dos funcionários, o que acarretou na falência. 

Essa atitude foi a maneira encontrada pela Riograndense de focar apenas no seguimento rodoviário, dando ênfase a terra natal do fundador, Nova Cruz-RN. Hoje ainda é possível ver os potentes ônibus Volvo em plena operação, mais não como nas décadas em que eles reinavam o intermunicipal potiguar. Mais fica a nostalgia ver esses veículos guerreando pela sua sobrevivência em um sistema que não tem muito a oferecer, semelhante a batalha que a Viação Riograndense trava a cada dia para realizar a integração do interior com a capital, através do transporte de passageiros.

Hoje a Viação Riograndense continua em plena operação nessas linhas:
Natal x Nova Cruz Via Tangará
Natal x Nova Cruz Via Brejinho
Natal x São José do Campestre
Natal x Monte das Gameleiras
Natal x Senador Elói de Souza
Natal x Lagoa de Pedras
Natal x Vila de Fátima
Natal x Lagoa Salgada via Vera Cruz
Natal x Barra de Maxaranguape
Natal x Canto de Moça

Um comentário:

  1. Aqui no Ceará também foi assim com muitas empresas q na época dava e sempre deu conta do recado;vejam agora como tá com essa tal modernidade e passageiro sofrendo;ou seja em datas especiais que acontecem no ano é um Deus nos acuda pra vc viajar vc ja vai ter que marca a passagem de volta porque senão fica sem retorna....

    ResponderExcluir

O Fortalbus se reserva no direito de selecionar os comentários.

© 2010-2016. Fortalbus Busólogos - Todos os direitos reservados