quarta-feira, 14 de junho de 2017

Mesmo endividada, Viação Itapemirim vai comprar 400 ônibus

Embora esteja endividada e pagando salários atrasados, a Viação Itapemirim vai investir R$ 200 milhões até o fim do ano. Serão 400 novos ônibus na frota da empresa e pelo menos 400 novos postos de trabalho abertos no Estado e no país, segundo donos da empresa.

Com dívidas trabalhistas, tributárias e com fornecedores da ordem de R$ 1,3 bilhão, o Grupo Itapemirim entrou em recuperação judicial em março de 2016. O processo ainda corre, mas em novembro o grupo foi vendido pela família Cola para os novos sócios, os empresários de São Paulo Sidnei Piva de Jesus e Camila de Souza Valdívia.

O negócio, no entanto, virou uma briga na Justiça. Enquanto os antigos donos os acusam de fraude e pedem a empresa de volta, os atuais controladores se defendem, mostram documentos e alegam que agiram estritamente dentro da lei.

Os novos sócios, no entanto, já têm planos para a empresa. A sócia e diretora administrativa e financeira da Viação Itapemirim, Camila de Souza Valdívia, afirmou, em entrevista, pessoalmente, que o grupo já comprou 16 ônibus de um andar e 9 ônibus de dois andares. Até o fim do ano, serão 400 novos veículos com wi-fi a bordo. 

“Fizemos uma intenção de compra de 400 ônibus. Estamos viabilizando esses recursos e captando recursos dentro da empresa”, afirma. “Queremos no mínimo chegar à frota entre 1.100 e 1.200 ônibus, condizente com o número de linhas que a empresa tem. Pelo menos 400 funcionários serão contratados”, complementa Camila.

Os ônibus mais antigos, que estão próximos em dez anos de uso, vão ser substituídos. Ela conta também que a empresa está desenvolvendo um novo app de venda de passagens e check-in eletrônico.

A diretora ressalta que vários investimentos já foram feitos para reativar a operação da empresa. “A garagem de Feira de Santana (BA) não existia mais, era uma parada num posto de gasolina sem estrutura. Nós reformamos a garagem e fizemos alojamento”, observa.

Além disso, ela afirma que foi retomado o abastecimento dos coletivos em bases próprias, “desonerando o valor pago no litro de óleo diesel em R$ 0,15”. Hoje, segundo a diretora, 76% da frota é abastecida em tanques dentro das garagens. 

Camila ainda aponta que a intenção do grupo empresarial é entrar no setor de transporte aéreo, tanto na área de cargas quanto de passageiros. 

“A Itapemirim nunca foi uma empresa quebrada, ela foi má administrada”, diz a nova sócia. Ela também destaca que a nova gestão regularizou salários, que quando eles chegaram estavam há quatro meses atrasados. 
Com informações: A Gazeta

3 comentários:

  1. “A Itapemirim nunca foi uma empresa quebrada, ela foi má administrada”. Na minha opinião, essa,foi uma crítica direta ao senhor Camilo Cola

    ResponderExcluir
  2. Deviam pagar os salários desse mês dia funcionários que ainda não foram pagos ao invés de botar banca que vão comprar 400 carros novos.

    ResponderExcluir
  3. sera que vai vim neobus tbm pq se for sera um grande investimento maior. deveria comprar la tbm a viacao nordeste pq nao investem nela que e muito melhor

    ResponderExcluir

O Fortalbus se reserva no direito de selecionar os comentários.

© 2010-2016. Fortalbus Busólogos - Todos os direitos reservados