terça-feira, 18 de julho de 2017

Primeiro ônibus elétrico produzido no Brasil

A Prefeitura de São Paulo apresentou oficialmente o primeiro ônibus elétrico totalmente fabricado no país e que será usado na capital paulista. Alimentado por baterias, o ônibus tem capacidade para transportar 84 passageiros e até 300 quilômetros de autonomia - ele pode rodar 300 km e então precisa parar para recarregar.

A cidade conta há décadas com ônibus do tipo trólebus, que são alimentados por energia elétrica, mas devem ser ligados a uma rede área de cabos. A proposta do veículo recém-anunciado é bem diferente: a alimentação é feita por baterias de fosfato de ferro (LiFePO4) que levam cerca de cinco horas para serem recarregadas.

Ônibus desse tipo vêm sendo testados há alguns meses em São Paulo e outras cidades brasileiras, mas essas unidades são importadas — a grande maioria veio da China. A unidade apresentada hoje foi produzida no Brasil, como já informado.

O chassi foi fornecido pela BYD, uma empresa chinesa, mas que têm fábrica em Campinas, interior de São Paulo. Já a carroceria do ônibus foi fabricada pela Caio Induscar, essa sim uma empresa brasileira — a planta da Caio fica na região de Botucatu, também no interior de São Paulo.

Na China, a BYD produz ônibus elétricos completos (chassi e carroceria) — muitas das unidades testadas anteriormente por aqui foram fabricadas por ela. Porém, no Brasil, o mercado de ônibus funciona de maneira diferente: companhias como Scania, Volvo e Mercedes-Benz fornecem chassis; já fabricantes como Marcopolo, Comil e Caio montam a carroceria. É por isso que a BYD se limitou a produzir apenas o chassi do ônibus elétrico.

De acordo com a BYD, o veículo tem autonomia de 250 km a 300 km, dependendo das condições de operação. São números bons: em média, cada ônibus urbano de São Paulo roda 200 quilômetros por dia.

Em complemento às baterias, o veículo conta com motores elétricos embutidos nas rodas, além de sistemas auxiliares hidráulicos e pneumáticos. Desse modo, o sistema de tração do veículo consegue transformar energia cinética em elétrica para armazená-la nas baterias.

Por sua vez, a carroceria tem quatro portas para embarque e desembarque, ar condicionado, vidros colados, tomadas USB, Wi-Fi, capacidade para até 84 passageiros (incluindo os que ficam em pé) e interior com iluminação em LED.

A primeira unidade foi entregue à Ambiental Transportes, que opera na zona leste da capital paulista. Atualmente, a empresa é a única que possui linhas atendidas por trólebus.

Mais veículos com a nova proposta deverão entrar em operação. A prefeitura já fala em trocar 60 ônibus a diesel por unidades elétricas. É um número bem baixo se considerarmos que, hoje, a cidade de São Paulo conta com cerca de 14,5 mil ônibus urbanos. A expectativa, porém, é a de que essa quantidade aumente quando a licitação para o sistema de transporte coletivo da cidade for concluída.

Só não será tarefa fácil: a licitação deveria ter sido executada em 2013, mas vários problemas — em especial, divergências com o Tribunal de Contas do Município — fizeram o processo ser adiado. Atualmente, as empresas de ônibus da cidade atuam com contratos emergenciais.

Além de São Paulo, ônibus elétricos com chassis da BYD deverão circular em cidades como Campinas e Belém.
Com informações: Tecnoblog

Nenhum comentário:

Postar um comentário

O Fortalbus se reserva no direito de selecionar os comentários.

© 2010-2016. Fortalbus Busólogos - Todos os direitos reservados