terça-feira, 5 de dezembro de 2017

Os primeiros ônibus biarticulados no Brasil completa 25 anos

Por Fortalbus
O sistema de transporte por ônibus em Curitiba virou referência mundial, fazendo parte do cotidiano da população. Esse Sistema de Transporte Coletivo de Passageiros deriva de um Plano Diretor da cidade implementado na década de 70 e é utilizado como indutor do crescimento ordenado da cidade até hoje. Para atender uma nova etapa de inovação desse sistema de ônibus, fez com que a Volvo se empenhasse na construção de um novo produto, o inédito ônibus com chassi biarticulado para transporte de passageiros em 1992. 

O projeto do primeiro ônibus biarticulado no Brasil foi desenvolvido a pedido do arquiteto Jaime Lerner, que ansiava atender ao aumento de demanda dos corredores integrados de transporte de Curitiba, para isso necessitando de ônibus de maior porte do que os disponíveis. 

Tomando como base o tradicional B58 urbano com câmbio automático, do qual aproveitou todos os componentes mecânicos (inclusive o motor de 250 cv), o novo chassi se mostrou apto a receber carrocerias de até 25 m, com capacidade para 270 passageiros. Os primeiros receberam carroceria padron Ciferal, segundo especificações da Prefeitura de Curitiba, com cinco portas largas, porém sem degraus e com piso totalmente útil, pois o embarque e desembarque de passageiros se daria em nível, em estações especiais.

No final de 1992, o primeiro protótipo entrou em testes dinâmicos no corredor mais carregado de Curitiba. A fase de experiência registrou potência e capacidade de frenagem insuficientes, o que exigiu a imediata repotencialização do veículo, que passou a adotar um motor turbo de 286 cv e 110 kgf.m e freios ABS; a caixa automática (importada da Alemanha, com retarder e programador eletrônico) foi regulada para permitir o ataque de rampas maiores. O eixo de tração também se mostraria sub-dimensionado para operação em rampas maiores; incapaz de resistir à sobrecarga decorrente do regime de operação, mais tarde seria substituído por um importado. A primeira encomenda, de 33 unidades, foi colocada em operação.

Os primeiros ônibus biarticulados de Curitiba tinham a cor prata, seguindo o padrão dos Ligeirinhos, que já existiam naquela época. Em 1995, os ônibus tiveram sua cor alterada para o vermelho, visando melhorar a visibilidade do veículo, pois foi percebido que os ônibus biarticulados acabavam se camuflando na neblina e na paisagem urbana da cidade.

Entre as características mais memoráveis dos primórdios dos ônibus biarticulados, era a campainha que tocava quando as portas das estações tubo eram abertas: “Era uma sineta inconfundível, que hoje já foi extinta. Mas quem pegou o início dos biarticulados deve se lembrar”, destaca o estudioso sobre transportes José Becker.

Seguindo a primícia que o progresso de Curitiba anda de ônibus, a cidade recebeu novos modelos futuristas de biarticulados das ençarrocadoras Caio, Marcopolo e principalmente Neobus, a responsável por fabricar o maior ônibus do mundo em 2011. O conhecido Ligeirão Azul Neobus Mega BRT, chegou a Curitiba om o título de maior veículo articulado do gênero do mundo. Com 28 metros de comprimento; 2,6 metros de largura externa e 2,2 metros de largura interna, com capacidade para transportar 270 passageiros, aumentando em 45% os lugares disponíveis para quem precisa usar o transporte público coletivo. 

Biarticulado Scania
Agora a cidade de Curitiba vai iniciar a fase de testes com o modelo de ônibus Millennium BRT Biarticulado fabricado pela Caio Induscar, mas com chassi Scania. A aparência do ônibus é a mesma dos biarticulados da capital paranaense, 28 metros de comprimento, capacidade para 270 pessoas e motor Euro 5 a diesel. A entrada da Scania no mercado urbano de Curitiba é saudável para o sistema, pois além das condições técnicas diferenciais, pode baixar o valor dos veículos nas compras futuras.

Onde os ônibus biarticulado são utilizados em Curitiba?
As linhas do Expresso Ligeirão são operados pelos biarticulados de 28 metros na cor azul, usando canaletas exclusivas com número reduzido de paradas. Proporcionam deslocamentos mais rápidos. Embarque e desembarque são feitos em nível em Terminais e Estações Tubo.

Nas linhas Expresso é operado pelos biarticulados na cor vermelha, sendo responsável pela ligação dos terminais de integração ao centro da cidade, através das canaletas exclusivas. Embarques e desembarques são feitos em nível nas estações tubo existentes no trajeto.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

O Fortalbus se reserva no direito de selecionar os comentários.

© 2010-2016. Fortalbus Busólogos - Todos os direitos reservados