Header Ads

ad

A mais antiga empresa de ônibus rodoviário do Brasil completa 90 anos

Quem hoje visita Florianópolis e se encanta com a natureza privilegiada da capital catarinense, sequer pode imaginar a aventura que significava chegar à ilha em 1928 — ano da fundação da Auto Viação Catarinense —, quando as “estradas” eram puro barro e os ônibus deixavam muito a desejar. 

A viagem exigia do passageiro muita disposição, coragem, paciência e tempo, pois nunca se sabia ao certo quanto tempo ela demoraria no trajeto. Do motorista, além de todos os atributos exigidos dos passageiros, o percurso demandava muita habilidade e atenção, conhecimento de mecânica e uma bela caixa de ferramentas.

A primeira linha da Catarinense conectava a cidade de Blumenau a Florianópolis, passando por Itajaí e Tijucas. Por causa das condições das estradas, o trajeto, que hoje se percorre em 2 horas e 15 minutos, levava pelo menos 12 horas. A frequência das viagens era de duas vezes por semana.

O sucesso foi imediato. Apesar das dificuldades da rota, a empresa mostrou-se desde esse momento eficiente, pontual e extremamente preocupada em oferecer o maior conforto possível para seus passageiros. Era comum que os donos da Catarinense ficassem até tarde aguardando a chegada do ônibus para saber dos próprios passageiros como havia sido a viagem. Para garantir um serviço de qualidade diante das adversidades, o lema era “As pessoas em primeiro lugar!”, lema que, por si só, exigia diariamente grande empenho dos fundadores.

Cinco anos depois, a empresa contava com uma frota de cinco ônibus, empregava 17 funcionários e operava regularmente em rotas que incluíam as cidades de Itajaí, Florianópolis, Jaraguá do Sul, Joinvile, Curitiba, Blumenau e Porto Alegre. Com o preço acessível das passagens, quando comparado com as tarifas de avião e os carros de passeio, boa parte dos passageiros começaram preferir o transporte rodoviário.

Reforçando seu perfil pioneiro, a Catarinense também fazia, desde os primeiros tempos, o transporte de encomendas. Como não havia um serviço oficial de correio, nem qualquer forma de prestação regular desse tipo de serviço, a empresa logo se destacou por entregar as encomendas sem danos ou extravios pelo caminho. Na época, elas eram transportadas em carros exclusivos. Quando nasceram os Correios, a Catarinense foi uma empresa parceira, operando ônibus que transportavam encomendas na parte traseira e passageiros na dianteira – algo similar ao modelo atual de transporte de encomendas.

Em 1970, a Catarinense continuava sendo um patrimônio afetivo do povo de Santa Catarina. Para seguir no mesmo ritmo inovador, pioneiro e vanguardista, em 1978, com a associação de Heinz W. Kumm – que tinha experiência em transporte coletivo urbano e turismo – a empresa voltou a liderar em inovação, operando veículos com três eixos, mais adequados às características dos trajetos percorridos. Além do melhor desempenho nas estradas, os ônibus com 50 lugares alteravam positivamente o custo passageiro por quilômetro.

Sempre andando na frente, a empresa também adquiriu ônibus automáticos e reestruturou o setor de cargas. Os carros ganharam pintura nova, mais simples, que chamava mais atenção na estrada e facilitava os reparos. Além da mudança de visual, em 1980 foram iniciadas as operações no oeste do Estado de Santa Catarina. No ano seguinte, a operadora passou a fazer a linha internacional Florianópolis x Assunção.

No mesmo ano, a Catarinense inaugurou sua primeira Sala VIP, em Blumenau, e lançou uma frota de ônibus articulados que ligava Blumenau Balneário Camboriú e Itajaí. Uma rota que, pelas suas características, levava e trazia passageiros para o trabalho. Com capacidade para 150 pessoas, sendo 62 sentadas, os articulados rodaram por mais de 20 anos.

Pioneirismo, gestão de aquisições e constante superação sempre foram características da Catarinense, e que estão presentes até os dias de hoje na companhia. Atualmente com uma moderna frota de 265 ônibus, ela opera os serviços Convencional, Executivo, Semileito, Leito e Leito Cama.

Sua rede de conexões também está em constante evolução: hoje, são 447 destinos em seis estados, além de uma linha Internacional. São ligações para o litoral de Santa Catarina (como Florianópolis, Balneário Camboriú e Itajaí) e vários destinos na região Sul (como Porto Alegre, Curitiba, Foz do Iguaçu, Joinville, Maringá e Blumenau) e no Sudeste (como São Paulo, Rio de Janeiro e Belo Horizonte).

Também foram implementadas iniciativas que melhoram os níveis de conforto, como, por exemplo, sala VIP nas principais rodoviárias, ônibus com poltronas reclináveis 180 graus, Wi-Fi a bordo, entrada individual para USB nas poltronas e ar condicionado com controle individual. A Catarinense também está permanentemente preocupada com o nível de serviço para o cliente, mantendo o foco naqueles que viajam com a empresa. 

Nenhum comentário

O Fortalbus se reserva no direito de selecionar os comentários.