quarta-feira, 4 de julho de 2018

Empresas de ônibus dão calote de R$ 4 milhões em concessionária de terminal

Empresas de transporte de passageiros aplicaram calote de R$ 4 milhões a concessionária do Terminal Rodoviário de Campo Grande, depois de se negarem a pagar taxa de acostamento dos veículos nas plataformas. Diante do prejuízo, a Agereg (Agência Municipal de Regulação dos Serviços Públicos) promete interceder em favor da Socicam junto a órgãos de fiscalização.

"Essa tarifa deve ser paga a cada parada de ônibus no terminal. As empresas não pagam porque alegam que ela não faz parte da composição da passagem. Vamos nos reunir essa semana na Agepan (Agência Estadual de Regulação de Serviços Públicos de Mato Grosso do Sul) para tentar resolver isso", disse o diretor-presidente da agência municipal, Vinícius Leite.

Reajustado em dezembro do ano passado, conforme publicação no Diário Oficial, o valor a ser pago pelo uso das plataformas da rodoviária é de R$ 16,93. Já o contrato de concessão prevê que essa seria uma das múltiplas fontes de receita do operador do serviço na Capital.

Sobre a dívida das empresas de ônibus com a Socicam, a concessionária limitou-se a dizer que trata-se de "negociações internas e estão sendo ajustadas junto aos responsáveis e os órgãos fiscalizadores competentes". A reportagem apurou que a empresa enviou um ofício a Agepan para questionar que alternativa teria a fim de fazer valer a cobrança.

Na avaliação do diretor de transportes, rodovias e portos da Agepan, Ayrton Rodrigues, essa "é uma questão comercial entre o administrador do terminal e empresas, não regulatória". A agência estadual, neste caso, poderia colaborar com a conciliação entre as partes, uma vez que inserir a taxa de acostamento na tarifa de ônibus depende do protocolo de pedido formal das transportadoras ou seu sindicato, informando impacto do valor nas operações.

Campo Grande é a única cidade do Estado onde a taxa de acostamento é cobrada, o que dificulta as negociações. A reportagem buscou posicionamento da Rodosul (Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros), contudo não obteve retorno até o fechamento.
Com informações: Campo Grande News

Um comentário:

  1. cade a taxa que os passageiros pagam .não suficiente para custear as despesas

    ResponderExcluir

O Fortalbus se reserva no direito de selecionar os comentários.

© 2010-2016. Fortalbus Busólogos - Todos os direitos reservados