domingo, 16 de setembro de 2018

A evolução do ônibus em 25 fatos

A história do transporte público de passageiros sobre rodas é mais antiga do que se imagina. Os ônibus são os que mais se destacam ao oferecer um panorama detalhado de como ele evoluiu com o crescimento das zonas urbanas e, a reboque, as inovações tecnológicas que trouxe. Algumas instituições abrigam acervos precisos a respeito do tema, como o Museu do Transporte, da SP Trans  em São Paulo (SP), o Museu Virtual do Transporte Urbano da NUT, Associação Nacional das Empresa de Transporte Urbano, e o Memorial da Segurança no Transporte , em Curitiba (PR). A todos vale uma visita para conhecer um pouco do transporte no Brasil e como ele influenciou a vida nas cidades. Aqui, apenas uma pequena viagem que resgata a importância do assunto.

1 – Dos registros que contam a história do transporte coletivo data de 1662, quando o matemático, físico e inventor Blaise Pascal inaugurou um serviço público em Paris, na França, com itinerário, horários e preços fixos para o deslocamento de pessoas em carruagens de oito lugares puxadas a cavalo.

2 – No início do século de 19 o ônibus ganhou apreço e fama na França. A casa de banho do empresário Stanislas Baudry ia de mal a pior devido sua localização afastada da cidade Nantes. Para ajudar na frequência resolveu inaugurar um serviço de transporte em 1826 que levasse os clientes até seu empreendimento. O ponto de partida ficava em frente a uma loja de chapéus chamada Omnes Omnibus, do latim, tudo para todos, cunhando a palavra ônibus.

3 – Baudry levou sua ideia para Paris e, de lá, se espalhou pela Europa. Em Londres, por exemplo, o serviço foi atribuído a Georges Shillibeer, que iniciou o negócio em 1829 com um veículo puxado por cavalos. Os tradicionais modelos de dois andares só apareceram em 1840, com a permissão que os empresários obtiveram de levar passageiros no teto.

4 – O ano de 1875 marca a introdução do maior ônibus puxado a cavalo que se tem notícia já construído, da John Stephenson Company. O veículo era puxado por dez cavalos e capacidade para 120 passageiros e foi utilizado na cidade de Nova Iorque, EUA.

5 – O século 19 marca o desenvolvimento de novas alternativas de propulsão, como veículos a vapor e até mesmo os motores a combustão. Em 1830, o inventor britânico Sir Goldorthy Gurney deu vida a uma carruagem movida a vapor, muito provavelmente o primeiro ônibus motorizado.

6 – O surgimento do primeiro ônibus a gasolina vem da cabeça de Karl Benz. O veículo entrou em serviço em 1895, no trajeto entre as cidades alemãs de Deuz e Siegen. Tinha motor de 5 cv e velocidade máxima de 15 km/h.

7 – Com o pioneirismo de Karl Benz, a motor a combustão começou a ganhar espaço no início do século 20 e a busca passou a ser por maior de capacidade de passageiros. Uma das soluções encontradas foi instalar o motor, que ocupava espaço dianteiro, sob o assento do motorista. Uma ideia que correu o mundo e estabelece os primórdios do chassi com motor dianteiro.

8 – Os ônibus começaram a ganhar potência e capacidade ao longo da primeira década dos anos 1900. Exemplo maior vem da Berliet, uma das primeiras a construir ônibus na França e conquistar sucesso em outros países. Em 1909, a empresa introduziu um modelo com 24 lugares e motor de 22 cv.

9 – A primeira década do século 20 marca também o início do primeiro serviço regular de ônibus a gasolina no Brasil, no Rio de Janeiro, ao longo da Avenida Central, hoje Rio Branco. O veículo tinha mecânica Daimler e carroceria francesa.

10 – Em 1917, a população do Rio de Janeiro vê outra inovação: o primeiro ônibus elétrico a circular no País. O veículo, produzido nos Estados Unidos, fez a rota Praça Mauá – Palácio do Monroe até 1928.

11 – Os tradicionais ônibus londrinos, com o visual mais semelhante dos dias atuais, surgiu em 1929 com os chamados LT, de Leyland Titan. O lançamento fez parte das comemorações dos 100 anos do surgimento do ônibus na capital londrina. Foram produzidas 150 unidades. Tinha capacidade para 49 passageiros e motor de 6 cilindros com 98 cv.

12 – Em 1936 surge modelo da Scania-Vabis que é considerado ainda hoje o primeiro ônibus movido a diesel verdadeiro, um motor de 6 cilindros que desenvolvia 120 cv. Até então, o motor usado era do tipo Hesselman, que queimava óleo cru.

13 – Na década de 1930 também foi a época dos papa-filas, veículos compostos por um cavalo-mecânico. Um dos mais conhecidos foi o da Mercedes-Benz L6500 que puxava um reboque de quase 20 metros de comprimento e capacidade para transportar 170 passageiros sentados.

14 – Com a escassez da guerra, as fabricantes de ônibus começaram a adotar alternativas de propulsão, como o uso do gasogênio, além de intensificar os modelos papa-filas surgidos antes da Segunda Guerra Mundial.

15 – Com capô proeminente, o Mercedes-Benz 6600 marcou a fase de reconstrução da Alemanha no pós-guerra. Tinha capacidade de carga útil de 6.600 kg e motor diesel de 145 cv.

16 -No Brasil, no final dos anos 1940, os ônibus GMC começavam a conquistar o mercado. Foram utilizados durante anos até a indústria automotiva brasileira poder produzir os próprios modelos, no fim da década de 50.

17 – Em meados dos anos de 1950 foi a vez dos modelos articulados começarem a aparecer na cena das cidades, aumentando a capacidade de transporte para mais de 80 passageiros a bordo de um único veículo.

18 – No Brasil, em 1956, ao contrário da Europa, os papa-filas ganharam espaço. Os primeiros foram em São Paulo, construídos com cavalo-mecânico da FNM e reboque da Caio para 120 passageiros, dos quais 55 sentados.

19 – Em São Paulo, os anos 1950 são marcados pelos Twin Coach, da CMTC, a Companhia Municipal de Transporte Coletivos, fabricados pela Fageol, dos Estados Unidos. Inovadores para a época, os modelos tinham carroceria de alumínio e câmbio hidramático.

20 – Em 1959, o Scania-Vabis B75 foi o primeiro modelo ser fabricado pela empresa sueca no Brasil. Era equipado com motor de 7 ou 10 litros e trazia carroceria Ciferal para 78 passageiros.

21 – O Brasil conta parte da história do ônibus com a instalação da Mercedes-Benz no País e com ela a fabricação dos modelos monoblocos, projeto local inexistente na Alemanha. Um dos mais famosos foi o O362, em versões urbana ou rodoviária. Foi produzido de 1972 a 1978. O modelo também foi muito utilizado pela CMTC.

22 – Com o aumento das cidades e das populações urbanas, um novo tipo de ônibus surgiu nos anos 1980, resgatando soluções do passado, como os ônibus articulados, mas agora com sistema de sanfonas.

23 – O crescimento das zonas urbanas demandou ainda novos conceitos de sistemas de transporte como medida para organizar as cidades. O tema gerou os BRT, Bus Rapid Transit, solução brasileira criada pelo arquiteto Jaime Lerner para a cidade de Curitiba (PR), em 1974.

24 – Em 1993, mais uma fabricante passa a produzir chassi para ônibus no Brasil: a Volkswagen Caminhões e Ônibus coloca em linha de montagem o modelo VW 16.180 CO.

25 – A popularização dos corredores exclusivos de ônibus impulsionou produtos específicos para a aplicação, como os ônibus biarticulados com capacidade para 200 passageiros. Hoje, além da disponibilidade de ônibus híbrido, a diesel, elétricos ou a gás, as fabricantes também investem em desenvolvimento de recursos de segurança e assistentes de direção, como as tecnologias semiautônomas capazes de identificar e alertar a respeito de obstáculos nas vias e sistemas de frenagem de emergência.
Com informações: Estradão

Nenhum comentário:

Postar um comentário

O Fortalbus se reserva no direito de selecionar os comentários.

© 2010-2016. Fortalbus Busólogos - Todos os direitos reservados