Header Ads

ad

Com atentados, empresas de ônibus de Fortaleza tem prejuízos superior a R$ 30 milhões

Por Fortalbus
Desde 2012, quando o Estado do Ceará enfrentou a greve dos policiais militares, a população cearense se tornou alvo de vários atos criminosos, com ataques direto contra ônibus urbanos e metropolitanos de Fortaleza, deixando um prejuízo estimado que supera os R$ 30 milhões para as empresas de ônibus.

Os valores são informados pelo Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros do Estado do Ceará (Sindiônibus), leva em consideração os casos de perda total ou parcial dos veículos em ataques orquestrados por bandidos ligados pela insegurança e conflitos de facções criminosas, prejudicando a vida de milhares de pessoas que dependem diariamente do transporte coletivo de Fortaleza e Região Metropolitana.

Esses ataques criminosos vem provocando a suspensão ou redução da frota de ônibus que circula pela cidade nesses momentos de crise na segurança. Passado este período, o usuário continua sendo penalizado no seu dia a dia, porque os ônibus perdidos nessas ações causam um déficit para as empresas e na frota operante da cidade.

Para se ter uma ideia, a aquisição de um ônibus novo custa cerca de R$ 450 mil e esse equipamento para ser produzido leva três a quatro meses, pegando as empresas totalmente descapitalizada para realizar esse tipo de financiamento e investimento fora de suas planilhas de despesas.

Essa onda de ataques está causando um prejuízo financeiro e operacional para as empresas de ônibus, interferindo também na idade média da frota circulante da cidade. De uns anos para cá, é possível verificar nas ruas, ônibus circulando com até 11 e 12 anos de operação.

Um boato que circula pela cidade, relata que as empresas de ônibus não tem prejuízos com essas perdas, porque esses veículos tem seguro, o que é mentira.

"O seguro nunca valeu à pena. Sempre foi impagável. É mais caro do que o valor de investimento anual em frota. Os riscos são incalculáveis e eles não te dão preço. Uma proposta que cubra vandalismo, hoje, nem tem. E o prejuízo fica sempre com as empresas", explica o presidente do Sindiônibus, Dimas Barreira.

Sobre a redução na arrecadação com efetivo diminuto circulando, o presidente diz que é preciso colocar na ponta do lápis o impacto para cada concessionária. "Mas basta você observar que, mesmo no dia em que circulamos com 30% da frota, há ociosidade", completa.


Confira as empresas urbanas e os ônibus que sofreram ataques desde 2012;


Auto Viação Fortaleza

02020, 02128, 02327, 02341 e 02406

Auto Viação São José 

12927, 12028, 12109, 12221, 12433, 12440 e 12623

Viação Siará Grande

14101, 14104 e 14319

Fretcar Transporte Urbano

19937, 19946, 19949, 19245, 19325 e 19328

Empresa Santa Maria

20954 e 20065

Aliança Transporte Urbano

21408 e 21410

Maraponga Transportes

26049 e 26249

Via Urbana

30708, 30905, 30101, 30113, 30114, 30329, 30331, 30509, 30622 e 30725

Vega S/A

35707, 35717, 35829, 35932, 35938, 35110, 35122, 35130, 35134, 35208, 35214, 35227, 35228, 35250, 35253, 35257, 35306, 35311, 35503 e 35638

Viação Santa Cecília

36306

Terra Luz Transportes  (Empresa operou até Junho/2018)

41007, 41010 e 41529

Auto Viação Dragão do Mar

42007, 42057, 42312, 42313 e 42404

Cearense Transportes  (Empresa operou até Agosto/2015)

43703 e 43307

Cootraps

67010, 67107 e 67246 

Um comentário:

O Fortalbus se reserva no direito de selecionar os comentários.