Header Ads

ad

Chiquinho Feitosa confirma mudança da garagem sede da Viação Motta

O empresário Francisco Feitosa de Albuquerque Lima, presidente do Grupo Vega, anunciou que a Viação Motta terá a sede transferida de Presidente Prudente (SP) para Campo Grande (MS) ainda neste segundo semestre.

Na prática, a boa notícia, que já foi comunicada ao prefeito Marquinhos Trad e ao governador Reinaldo Azambuja, significará o emplacamento de toda a frota da empresa de transporte de passageiros e encomendas em Campo Grande/MS, algo em torno de 230 veículos, entre ônibus e caminhões, além de aumento na arrecadação de impostos e geração de emprego.

Segundo Chiquinho Feitosa, como é mais conhecido o presidente do Grupo Vega, que ainda engloba as empresas Vega S/A, Vega Manaus, Via Metro, Vitória, Princesa dos Inhamuns, Vimeca Transportes, Total Viação e Lisboa Transportes (Portugal), a Viação Motta foi totalmente revitalizada e teve a frota modernizada e as contas saneadas.

Agora, vamos trazer a sede de São Paulo para Mato Grosso do Sul. Entendo que essa mudança é muito importante para a empresa e, consequentemente, para a cidade também. Vamos fazer por onde corresponder essa acolhida que recebemos aqui”, declarou.

Ele completa que a Viação Motta vai continuar mantendo subsedes em todas as outras regiões onde opera. “Temos várias garagens próprias nos Estados de São Paulo, Mato Grosso, Minas Gerais, Paraná, Goiás, Rio de Janeiro e Distrito Federal. Em Presidente Prudente, vamos manter ainda o núcleo administrativo e a holding operacional por ser um ponto estratégico de convergência de várias linhas”, detalhou.

Presidente da Fetrans (Federação das Empresas de Transportes de Passageiros do Ceará, Piauí e Maranhão), o empresário reforça que a mudança da sede para a Capital será efetuada ainda neste segundo semestre. “O prefeito Marquinhos Trad e o governador Reinaldo Azambuja nos receberam muito bem e ficaram satisfeitos com o aumento do recolhimento de impostos e geração de mais empregos”, ressaltou.

Fortalecimento
O presidente do Grupo Vega que a Viação Motta vai aproveitar as ligações com as principais cidades sul-mato-grossenses a partir de Campo Grande para fortalecer a operação dentro de Mato Grosso do Sul. “É nesse sentido que estamos nos estruturando. O nosso grupo nasceu no Ceará e tem mais 70 anos de fundação, atuando em outros Estados do Brasil localizados nas regiões Norte, Nordeste, Sudeste e Centro-Oeste. Em 2017, também passamos a atuar em Portugal, onde compramos a Vimeca, uma das maiores empresas de transporte coletivo urbano que atua na região da Grande Lisboa”, pontuou.

Ele também informou que a ligação interestadual de Mato Grosso do Sul aos Estados do Nordeste é uma pretensão da Viação Motta, utilizando outros parceiros. “O passageiro poderá comprar a passagem aqui em Campo Grande e vai até São Paulo (SP), de onde uma empresa parceira levará até as cidades do Nordeste. Hoje a Motta ainda não faz essa linha, mas já estamos trabalhando com essa possibilidade”, avisou.

O empresário relata que comprou a Viação Motta no fim de 2015 e assumiu o controle em 2016, tendo dois anos e meio à frente da empresa. “Nós trabalhamos com o transporte de passageiros e também de encomendas. Porém, pretendemos aperfeiçoar cada vez mais esse braço da Viação Motta para atender o agronegócio e as pequenas cidades do interior por onde os ônibus da empresa passam”, citou.

De acordo com ele, os Estados atendidos pela empresa, territorialmente falando, representam a metade do Brasil e englobam muitos municípios. “Muitas vezes os nossos clientes precisam mandar uma encomenda de pequeno porte, uma peça de automóvel ou de trator, enfim, vários produtos e não tinham como fazer isso sem gastar muito dinheiro. Agora, a Viação Motta vai disponibilizar esse serviço. Não é exatamente uma carga, mas uma encomenda, essa comodidade vem para complementar o transporte de passageiro já realizado pela Viação Motta”, analisou.

Concorrência com o transporte aéreo
A respeito da concorrência com o transporte aéreo, Francisco Feitosa avalia que agora o País está vivendo um período de passagens aéreas muito caras. “Foi só a Avianca sair do mercado aéreo brasileiro, que os preços subiram muito. Além disso, o transporte de ônibus tem um público cativo, aquele passageiro que prefere viajar à noite e com mais tranquilidade”, exemplificou.

Para esse grupo de passageiros, ele explica que a Viação Motta está investindo em uma frota moderna, utilizando ônibus de dois andares que têm um serviço leito diferenciado mais confortável do que viajar de avião. “Temos ainda o leito-cama, que são verdadeiras camas, e os passageiros que preferem viajar à noite, passam a viagem dormindo, chegando cedo aos seus destinos e renovados, prontos para cumprir com suas respectivas agendas”, assegurou.

Chiquinho Feitosa destaca que os passageiros de ônibus não precisam enfrentar o transtorno dos aeroportos, tendo de chegar com muita antecedência e passar por um rígido controle de segurança, que acabam gerando transtornos. “Enfim, cada segmento tem o seu nicho de mercado e o passageiro rodoviário nunca vai deixar de existir”, projetou.

Condições da malha viária
Francisco Feitosa também analisou as condições a malha viária brasileira. “As nossas rodovias precisam melhorar em muito e as reclamações do agronegócio demonstram isso. Falta infraestrutura viária para o escoamento da produção agropecuária, principalmente nos Estados considerados as locomotivas do agro no Brasil, que são Mato Grosso do Sul e Mato Grosso”, alertou.

Ele destaca que as empresas que trabalham com o transporte de passageiros e de pequenas encomendas também sofrem muito com essa falta de infraestrutura. “Isso é uma coisa que precisa melhorar, os governos passados não focaram na solução desse gargalo, que é falta de uma infraestrutura viária para o transporte de mercadorias, pessoas e grãos”, lembrou.

Para o empresário, somente com a aprovação das reformas estruturantes será possível recapitalizar o Governo para que possa investir nessa área viária. “Não estou falando de uma, mas de todas as reformas, a da Previdência, a Tributária e a Política. Elas são necessárias para fazer com que a economia brasileira acorde, voltando a gerar emprego e possibilitando que o Governo tenha condições de investir em infraestrutura”, finalizou.

Grupo Vega adquire a Viação Motta, empresa com 52 anos de atuação no mercado de transporte de passageiros
No fim de 2015, o Grupo Vega adquiriu a Viação Motta, mas somente em 2016 o negócio foi concretizado, faltando a oficialização para efetuar as devidas ampliações. Essa parte só foi possível em 2018, quando a ANTT (Agência Nacional de Transporte) formalizou a transferência das operações da Viação Motta para o grupo comandado pelo empresário Francisco Feitosa de Albuquerque Lima.

A ANTT formalizou, em edição do Diário Oficial da União do dia 4 de junho de 2018, a transferência das operações da Viação Motta Ltda. para o Grupo Vega. Esse era o último detalhe técnico para que, do ponto de vista operacional, o negócio realizado em 2015 fosse definitivamente oficializado. Com isso, novas requisições de linhas e modificações de trajetos foram possíveis para o Grupo Vega.

Uma das primeiras empresas do grupo, a Princesa dos Inhamuns foi fundada em 1968 e atende a 53 municípios cearenses, com destaque para linhas executivas para Crateús, Tauá São Benedito Canindé e Ipueiras. São 52 ônibus com idade média de três anos que transportam em torno de 150 mil pessoas por mês.

Já a Viação Motta foi fundada em 31 de março de 1967 na cidade de Presidente Prudente, no interior de São Paulo, por Pedro Cassimiro da Motta, que morreu em 1996. A Motta faz linhas interestaduais entre São Paulo, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso, Paraná, Minas Gerais, Goiás e Distrito Federal.

Atuando há 52 anos no ramo do transporte rodoviário, a Viação Motta tem como missão o transporte de pessoas com segurança e qualidade. A Empresa iniciou a operação nos Estados de São Paulo e Mato Grosso.

Ao longo dos anos, por prestar um excelente serviço a Motta se tornou uma empresa especializada no ramo de transporte fazendo importantes ligações e, hoje, opera em 61 linhas, cruzando 79 municípios, entre os Estados de São Paulo, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Paraná, Minas Gerais, Goiás, Distrito Federal, percorrendo anualmente 20 milhões de quilômetros. 

Para atender os passageiros com conforto e comodidade, a Motta tem mais de 200 agências distribuídas em sua área de atuação, além dos canais de vendas pela internet e serviço de atendimento ao cliente (SAC).

Sempre atenta às questões de responsabilidade socioambiental, a Empresa assume o compromisso de reduzir a utilização de recursos naturais em seus processos e produtos, realizando ações com foco no desenvolvimento sustentável. 

Atualmente, a Viação Motta vive um período de transformação rumo a novos horizontes tendo como prioridade a qualidade no atendimento e a satisfação do passageiro. Por ano, a empresa transporta mais de dois milhões de passageiros pelo Brasil.
Com informações: A Crítica/MS

4 comentários:

  1. as empresas Via Metro e Vitória, que eu saiba pertencem ao grupo Guanabara. ..

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ele é um dos sócios de algumas empresas do grupo GB

      Excluir
  2. ñ sabia q a vitória e a via metro eram da vega...

    ResponderExcluir
  3. A meu vir,essas empresas- Vitória e via metrô,São do holding Guanabara.

    ResponderExcluir

O Fortalbus se reserva no direito de selecionar os comentários.