Header Ads

ad

Número de acidentes envolvendo ônibus cai 76% em Fortaleza

Além de maior agilidade nas viagens, deslocar-se por Fortaleza de ônibus está cada vez mais seguro. É o que aponta levantamento realizado pela Autarquia Municipal de Trânsito e Cidadania (AMC). No primeiro trimestre deste ano, o quantitativo de acidentes envolvendo coletivos reduziu 76% quando comparado com igual período do triênio 2016-2018. O número de colisões apenas com danos materiais caiu de 222 para 54.

Segundo o estudo, foi registrada ainda queda de 35% no número de acidentes com vítimas feridas que reduziu de 115 para 75. No que se refere a acidentes fatais considerando esse modal a redução foi de 25%. A diminuição dos índices é reflexo da política desenvolvida pela Prefeitura de Fortaleza, com apoio da Iniciativa Bloomberg de Segurança Viária Global, que consiste na priorização do transporte público, capacitação e reciclagem dos motoristas, campanhas educativas e fiscalização efetiva.

“Cerca de um milhão de pessoas que utilizam ônibus diariamente vêm sendo priorizadas por medidas que garantem a segurança e ainda reduz o tempo de percurso nas viagens dos coletivos. A implantação de faixas exclusivas, por exemplo, não só aumenta a velocidade operacional como reduz os conflitos com os demais veículos”, explica o vice-presidente da Empresa de Transporte Urbano de Fortaleza (Etufor), Antônio Ferreira.

Hoje, Fortaleza conta com 111,4 km de faixas exclusivas de ônibus e o principal objetivo deste sistema é priorizar o transporte público, proporcionando diversas vantagens aos usuários, como o aumento da velocidade operacional, previsibilidade do tempo de viagem, redução no consumo de combustíveis e de emissão de gases poluentes.

Outra iniciativa que tem contribuído para a redução de acidentes é a adesivagem de ponto cego para alertar pedestres, ciclistas e motociclistas sobre a visibilidade no veículo. Esses adesivos ajudam as pessoas a se posicionar melhor e facilita a compreensão sobre a visibilidade dos motoristas de ônibus em pontos específicos no exterior dos coletivos.

Para o gerente de operação e fiscalização da AMC, Disraelli Brasil, a redução também está relacionada com a readequação de velocidade em vias de grande tráfego como a Osório de Paiva e Leste-Oeste. “O excesso de velocidade é um dos principais fatores de risco de acidentes de trânsito. À medida que se readequa o limite máximo, o condutor tem mais chance de reação a imprevistos que possam surgir”, explica.

Nenhum comentário

O Fortalbus se reserva no direito de selecionar os comentários.