Header Ads

ad

CTC Fortaleza deve ser extinta de fato

Mensagem enviada pelo prefeito de Fortaleza, Roberto Cláudio, à Câmara Municipal pede esforços para encerrar os débitos da Companhia de Transportes Coletivos de Fortaleza (CTC). Com o objetivo de regular o serviço de transporte, a empresa foi criada em 1964, para gerenciar a rede de ônibus elétricos. A firma chegou a ser a mais rentável do País. O trabalho prestado encerrou-se em 2005. Nesse percurso, o empreendimento fez transporte escolar, enfrentou greves e presidentes acusados de improbidade administrativa.

“A Empresa encontra-se há um tempo sem prestar serviço algum para a sociedade, mantendo-se um quadro mínimo de funcionários somente para cumprir as obrigações legais”, diz a mensagem. O texto prevê que o prefeito abra créditos adicionais ao Orçamento Fiscal do Município para sanar as dívidas remanescentes da liquidação e extinção previstas, bem como as de natureza trabalhista.

De acordo com o pedido de Roberto Cláudio, uma comissão técnica, integrada pela Secretaria de Conservação e Serviços Públicos(SCSP) e a Secretaria Municipal do Planejamento, Orçamento e Gestão (Sepog), afirmou que é inviável a manutenção ante a situação em que a empresa se encontra.

“Ao longo do tempo, as atividades atribuídas à referida Companhia foram sendo modificadas até que, em 2002, após tentativas de ser leiolada, a CTC licitou 58 linhas de ônibus. As linhas restantes foram alienadas em 2004, ano em que a empresa suspendeu seus serviços. Em 2005, a companhia passou a realizar o transporte de alunos, atividade também encerrada.

O texto está em discussão na Comissão Conjunta de Constituição e Meio ambiente. Tendo como presidentes, respectivamente, os vereadores Didi Mangueira e Mairton Félix.

Percurso 
* Em 2004, a Viação Dragão do Mar e a Vega foram duas das oito empresas a ganhar a concorrência e habilitaram-se para operar linhas ocupadas pela CTC. Findou aí, a Companhia de Transportes Públicos de Fortaleza.

* No mesmo ano, a CTC foi alvo de investigação da 6ª Vara da Fazenda Pública do Estado. A investigação apurou as causas do sucateamento de mais de 60 ônibus da Companhia de Transportes. À época, 71 veículos circulavam na Capital. 48 eram da CTC - número menor que o de veículos parados.

* Em outubro de 2001, outra polêmica envolveu um processo licitatório para comandar o fluxo de veículos da CTC. Vinda do interior paulista, a Auto-ônibus Botucatu trouxe R$ 4,21 milhões para a Prefeitura, 66 ônibus e polêmicas. A principal delas se referia à habilitação da empresa a participar da concorrência que resultou na permissão para operar 58 vagas em linhas que eram atendidas pela Companhia de Transporte Coletivo.

* Em 1999, O Tribunal de Contas dos Municípios (TCM) tornou Antônio Magalhães Neto inelegível e inabilitado para exercício de função ou cargo público por cinco anos . A acusação foi de que, durante sua gestão da Companhia em 1993, ele comprou 15 ônibus sem realizar licitações. Neto foi enquadrado no crime de improbidade administrativa.

* Entre 1999 e 2004, houve ao menos, três tentativas de leiloar a empresa.

* Em 1991, na gestão de Antônio Neto Magalhães, a companhia de transportes apresentou lucro operacional de cr$ 111,8 nos cinco primeiros meses do ano. Isso a colocou como única estatal do Brasil a dar lucro. Nesse período, Fortaleza possuía a menor tarifa de ônibus do País - a média era de cr$ 54,39. A eficiência administrativa foi apontada como justificativa pelo lucro. Mesma eficiência colocada em cheque anos depois.

* Em janeiro de 1990, o então prefeito Ciro Gomes incorporou os primeiros dois ônibus sanfonados à frota da CTC. Apenas em Curitiba e Brasília dispunham de tal tecnologia para mobilidade urbana.

* O veículo tinha capacidade de transportar até 200 passageiros e sua aquisição fez parte do plano de expansão e aperfeiçoamento do sistema de linhas da Capital. Os veículos operaram nos principais corredores de Fortaleza; à época, eram as avenidas Bezerra de Menezes; Mister Hull, José Bastos e Aguanambi/BR-116.

* Em 1990, a Companhia destacou-se no setor. Ganhou prêmio como a melhor empresa pública do Norte e Nordeste, concedido pelo Instituto Miguel Calmon. Apesar de ter a 5ª maior frota da cidade, era quem apresentava o segundo melhor faturamento na área.

* Em 1981, a CTC enfrentava uma das suas piores crises, com déficits mensais milionários. O então presidente, coronel José Bezerra de Arruda, apontava soluções para a saída da empresa da crise. Ele chegou a sugerir que o óleo diesel fosse subsidiado para as empresas de ônibus, assim como era para o setor pesqueiro. Também pediu abatimento nas peças e acessórios para os frotistas. Além da eliminação da meia-passagem.

* Em 1977, o debate em Fortaleza girava em torno dos micro-ônibus e meia passagem. Os projetos eram vistos com maus olhos pela classe empresarial, que acusava a empresa pública ser a única capaz de atender às novas demandas do transporte público de Fortaleza.
Com informações: O Povo 

2 comentários:

  1. realmente e uma pena uma empresa dessa ter seu fim tao tragico, gostava muito de andar em seus veiculos com motor central volvo.

    ResponderExcluir
  2. Quando os dois ônibus articulados chegaram eles foram usados nas antigas linhas LESTE-OESTE e MUCURIPE-MESSEJANA que depois se transformou em GRANDE CIRCULAR 1 e 2. Depois que fizeram os terminais de Antônio Bezerra e Messejana que eles passaram a serem usados nas linhas terminais para o centro.

    ResponderExcluir

O Fortalbus se reserva no direito de selecionar os comentários.