Header Ads

ad

Conheça a tecnologia HVO para ônibus urbano Mercedes-Benz

Por Antônio Ferro
Em meio as discussões sobre a adoção de combustíveis limpos para as frotas de ônibus urbanos, a Mercedes-Benz destaca o biocombustível de segunda geração, HVO, sendo uma alternativa eficiente e econômica para as empresas e para o meio ambiente. De acordo com a montadora, o Brasil é rico na oferta de produtos de origem vegetal e gordura animal, criando possibilidades para a produção de biocombustíveis como o HVO (Hydrotreated Vegetable Oil ou Óleo Vegetal Hidrotratado). Para isso, é primordial que o País invista em infraestrutura de produção para assegurar a utilização em larga escala.

O Grupo Daimler detém várias tecnologias alternativas ao uso do diesel: biodiesel HVO, híbrido, células a combustível em modo experimental e elétricos, já em operação regular. Com infraestrutura adequada e custos operacionais compatíveis para o transporte público brasileiro, essas soluções podem ser trazidas para operação no Brasil, por meio da marca Mercedes-Benz. "Sabemos que o diesel, por sua tradição histórica e as grandes reservas existentes, é o combustível mais usado no Brasil e no mundo. Mas temos que investir em outras alternativas e o biocombustível de 2ª geração, como o HVO, é um caminho a ser percorrido e bastante interessante", disse Walter Barbosa, diretor de Vendas e Marketing Ônibus da Mercedes-Benz do Brasil.

O executivo ainda ressaltou que o uso do HVO não exige nenhuma alteração na infraestrutura de abastecimento na garagem e nem na logística de distribuição do combustível. "Além disso, ele pode ser utilizado em qualquer veículo a diesel de qualquer norma de emissões. E considerando a legislação da cidade de São Paulo, há uma redução das emissões de CO2 (Dióxido de Carbono) proporcional à porcentagem de HVO, pelo fato de ser um combustível não fóssil. Vejo o uso do HVO como uma ponte até os ônibus elétricos nos grandes centros. E mais: esse biocombustível poderá ser uma solução também para ônibus de grandes distâncias rodoviárias", concluiu.

Nenhum comentário

O Fortalbus se reserva no direito de selecionar os comentários.