sábado, 3 de dezembro de 2016

Mercado cogita compra da Viação Motta pela cearense Viação Princesa / Vega

Por Fortalbus
O anuncio de aquisição acionária da Viação Motta já vinha sendo especulada pelo setor rodoviário há vários meses, se cogitou até a aquisição pelo grupo Guanabara, devido a relação negocial que ocorreu entre a Viação Motta e Jacob Barata, com a remessa de veículos semi-novos da Guanabara para a Motta, logo em seguida também houve um repasse operacional da linha Cuiabá x Rio de Janeiro, fazendo com que as empresas Útil S/A e Real Expresso ampliassem suas operações até o Estado do Mato Grosso.

Nas últimas semanas, vários frotistas de Fortaleza já especulavam que o Grupo Vega estava negociando a compra de uma empresa no interior paulista, até então se imaginava que fosse do setor urbano, onde o grupo já opera com maestria. Mas nesta sexta-feira (02), uma informação repassada pelo jornalista Adamo Bazani, informou a possível negociação entre a Princesa dos Inhamuns e a Viação Motta. Sem dúvidas essa informação é compatível com as várias investidas do Grupo Vega em entrar com vigor no setor rodoviário interestadual. 

Desde que a ANTT (Agência Nacional de Transportes Terrestres) começou a conceder as licenças operacionais para a prestação do serviço regular de transporte rodoviário interestadual de passageiros, que a cearense Viação Princesa dos Inhamuns viu nesta, uma oportunidade de expansão em seus negócios.

Vale a pena lembrar que o ponta pé inicial ocorreu em 2013, quando a Viação Princesa dos Inhamuns, iniciou as operações no seguimento rodoviário interestadual, ao assumir a linha que liga as capitais João Pessoa (PB) e Recife (PE). As operações da empresa cearense nestes estados só foi possível graças a negociações de compra da Viação Bonfim, que posteriormente passou a adotar o nome Total. Hoje esta operação é feita pela Total Transportes com 11 veículos, sempre atendendo com horários de partida há cada hora.

História da Princesa dos Inhamuns
A trajetória de crescimento da Viação Princesa dos Inhamuns começa lá atrás, com a Expresso Canindé fundada em 1968. Em 1994, os empresários Francisco Feitosa e Idemar Citó adquiriram a Empresa Canindé que operava as linhas de Fortaleza para Canindé, Itatira, Paramoti, Caridade, Taperuaba, Lagoa do Mato e Quixadá, além de Canindé x Sobral, com aproximadamente 30 carros.

Um importante salto ocorreu em 2007, quando o empresários Francisco Feitosa adquiriu as linhas da Expresso Asa Branca, que interligavam Fortaleza a Boa Viagem, Parambu, Aiuaba, Arneiroz, Quiterianópolis e Tauá. 

Um ano depois, o Estado do Ceará licitou todas as linhas intermunicipais, e a Viação Princesa foi uma das ganhadoras dos lotes ofertados, ganhando o lote 3. A partir daí houve de fato a unificação com a  Expresso Canindé, passando a se chamar oficialmente Viação Princesa dos Inhamuns. 

A importância da Viação Motta
A Viação Motta foi fundada em 1967 na cidade de Presidente Prudente (SP). Inicialmente transportava passageiros entre os estados de São Paulo e um parte de Mato Grosso, que hoje é o Mato Grosso do Sul. 

Especializada no transporte rodoviário de passageiros, veio incorporando ao longo dos anos diversas linhas e hoje serve mais de 400 cidades nos estados de São Paulo, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso, Paraná, Minas Gerais, Goiás, Distrito Federal e Rio de Janeiro. Há quase 50 anos, a Viação Motta transporta não só seus passageiros, mas a certeza e o otimismo de que a vitória é de todos aqueles que acreditam na força do trabalho e do respeito mútuo.

O Grupo Vega é composto pelas seguintes empresas de transportes;

Vega S/A, a maior operadora do sistema urbano de Fortaleza, com uma frota superior à 310 veículos

Vega Manaus, uma filial que opera o transporte urbano da capital amazonense, com uma frota de 98 veículos

Viação Princesa opera linhas rodoviárias dentro do Ceará, atendendo 53 cidades com uma frota de 52 veículos

Total Transportes que opera a linha João Pessoa x Recife, com 11 veículos

F.F. Participações, opera participativamente no corpo acionário de algumas empresas relacionadas ao transporte coletivo, com significativas porcentagens.

Sem dúvidas a aquisição da Viação Motta pela Princesa dos Inhamuns é um importante passo para a consolidação do grupo cearense no mercado nacional. É evidente que haverá um choque de gestão na Viação Motta, tendo em vista que a Empresa perdeu espaço no mercado nos últimos anos, e também pela crise que assola várias e importantes empresas do setor rodoviário nacional. A retomada deve ocorrer com a modernização da frota, pois a concorrência vem se modernizando à passos largos, num mercado com passageiros cada vez mais exigentes.

O Fortalbus torce de fato pela concretização deste negócio, principalmente porque o Grupo Vega sempre apostou em seus colaboradores, sendo a Vega, uma das melhores empresas para se trabalhar no setor de transporte coletivo. Experiência no transporte de passageiros não falta, tendo em vista que a origem do grupo se iniciou na década de 50, com a gigante Autoviária São Vicente de Paulo Ltda, empresa pioneira no transporte coletivo de Fortaleza. 

Agora é aguardar a confirmação da compra, a reação do mercado, e os próximos passos que deverá ser adotados pelos novos gestores da Viação Motta, empresa essa que no próximo ano completa 50 anos de operação e pioneirismo.  

sexta-feira, 2 de dezembro de 2016

A passagem do Irizar na frota da Empresa Horizonte

Por Fortalbus
Adquirido em 2001, o único ônibus Irizar da Horizonte Transporte Turismo, chegou encarroçado sobre o chassi Volvo B7R. Na época, com a adoção da nova identidade visual, a empresa utilizava um sistema de prefixos que permaneceu somente até o ano de 2003. A identificação consistia no ano do veículo em destaque, seguido pelo numero de ordem circulado.

O modelo era o Century, que até então era a única carroceria vendida no Brasil pela carroçadora de origem espanhola. O único Irizar da Horizonte foi a segunda unidade do chassi Volvo B7R, pois o primeiro traseiro da marca fora adquirido em 1999 e encarroçado com o Marcopolo Viaggio GV1000.

Apesar do número 2001 confundir sua identificação com os demais veículos que também ostentavam o ano em destaque, seu prefixo era o 07. O carro possuía acessórios característicos dos primeiros veículos Irizar no Brasil, destacando-se entre os demais da frota.

Ônibus de dois andares são tendência

Por Jocélio Leal
A encarroçadora gaúcha Marcopolo aposta nos ônibus Double Deck (dois andares) como tendência no mercado rodoviário brasileiro. Na Fetransrio, a empresa lançou um modelo do gênero, o Paradiso 1800 DD. De diferente dos demais do segmento, o modelo (em processo de homologação) tem 15 metros – um a mais - o que permite. Além da carroceria nova, a empresa aposta em um sistema de entretenimento a bordo, o Streaming.

O responsável pelo marketing de ônibus da empresa, André Oliveira, disse que além dos 15 metros de comprimento, outra tendência do mercado brasileiro são quatro eixos, com leito no andar de baixo e executivo no andar de cima. “Com um mesmo motorista, um mesmo motor e a mesma quantidade de diesel gasto ele leva 12 leitos e 50 executivos em cima ou 50 executivos mais 16 embaixo, quando a lei exige que ele tenha leito em algumas linhas.

A tarifa de leito é entre 35% a 40% mais cara do que o executivo. A demora para o mercado ter percebido a vantagem dos Double Decks se deve, avalia André, ao mercado não ter se dado conta. “Nem encarroçadoras, nem montadores. Demoramos. Mercados como a Argentina já utilizam há cinco anos. Chile e Peru também”.

Os ônibus da Marcopolo terão um sistema pelo qual o passageiro poderá em seus próprios dispositivos móveis assistir filmes, documentários e musicais. Sistema semelhante ao implantado no Brasil nos voos da Latam. Estará no mercado já em 2017. Um roteador garante o sinal de Wi Fi.

quinta-feira, 1 de dezembro de 2016

Um passo no passado: Viação Urbana 30620

Por Fortalbus
No ano em que completou 20 anos de atividades no Sistema Integrado de Transporte, a Via Urbana vem, ao longo de sua jovialidade, carregando consigo uma sólida história de conquistas e reconhecimento na prestação do serviço de transportar o fortalezense diariamente. E nessa essa trajetória de sucesso, selecionamos um veículo que fez parte desta história, que passou por vários layout de pintura padrão do sistema integrado de Fortaleza. O carro de prefixo 30620, já passou por vários modelos, iniciando pelo Busscar, passando pela Marcopolo, e hoje sendo ostentado num Caio.

Em 1996, ano que a Via Urbana iniciava as atividades, o prefixo 30620 foi um modelo Urbanuss Busscar encarroçado sobre o chassi Mercedes-Benz OF-1620, tinha as mesmas características que os veículos comuns da época, entretanto, apesar da terceira porta, seu embarque e desembarque nos terminais era realizado exclusivamente pela porta dianteira. Isso acontecia devido a porta central que fora equipada com um modelo de elevador elétrico-hidráulico que não permitia seu uso convencional devido a ausência de degraus.

Na frota urbana incorporada em 2006, a Viação Urbana contou com um acréscimo de 34 veículos dos modelos Senior Midi e Torino. O carro 30620 de 2006, tinha o chassi Mercedes-Benz OF-1418, encarroçado no Marcopolo Torino, modelo este que conquistou o frotista cearense. As características de conforto, segurança e robustez sempre foram marcas do seu sucesso. Com certeza, estes foram os atributos que permitiram conquistar os empresários do setor e alcançar este expressivo resultado.

20 anos depois, o prefixo 30620 foi renovado com o chassi Mercedes-Benz OF-1519, encarroçado no moderno modelo Caio Induscar Apache Vip IV, na configuração de duas portas e com ar condicionado. O veículo evoluiu tanto nesses anos, exibindo a modernidade em suas carrocerias como também nas potências dos motores Mercedes-Benz, hoje sendo um dos mais ecológicos da categoria, pois usa o diesel que reduz a emissão de fumaça branca e material particulado na atmosfera.

Aplicativo “Meu Ônibus Fortaleza” é utilizado por mais de 80 mil pessoas

O aplicativo “Meu Ônibus Fortaleza” está entre os cinco principais apps de transporte coletivo do país. Inserido em 2015 na Capital, ele já é utilizado por 80 mil pessoas diariamente. O grande marco registrado por quem utiliza é a facilidade e também a questão de usar melhor o tempo.

Com a função de informar quantos minutos a sua linha irá chegar e também quais os outros pontos tem nas proximidades, o app é também elogiado pela precisão, como afirma a agrônoma Thereza Rhayanne.

“Eu uso ele todos os dias para ir a faculdade e é muito bom porque não fico esperando muito meu ônibus, e ele sempre tem uma margem de 2 minutos, então dá para se programar”, garante.

Uma novidade do aplicativo é a nova versão disponível para download para os aparelhos com o sistema iOS, que dá direto ao usuário a realizar recarga para vale-transporte avulso e também a carteira de estudante.

Para realizar o procedimento, é necessário acessar o menu que fica ao lado esquerdo e clicar em “recarga online” e o app leva o usuário para uma página de cadastro.

O “Meu Ônibus Fortaleza” é alimentado pela base de dados da Empresa de Transporte Urbano de Fortaleza (Etufor) e pelo sistema de GPS dos veículos e funciona com o uso da rede de dados de operadoras de celular.
Com informações: Tribuna do Ceará

quarta-feira, 30 de novembro de 2016

Caio Giro da Viação Nacional operando em Fortaleza

Por Fortalbus
Um exemplar da extinta Cia. São Geraldo fez uma inusitada surpresa aqui no Ceará, o veículo que por onde passa chama muita atenção, por demostrar uma das várias tentativas da encarroçadora Caio na retomada do mercado rodoviário, o modelo continua em produção com suas três versões, e suas vendas é destinadas para o mercado internacional. 

O Caio Giro 360 equipado com o chassi Scania K420, chegou em Fortaleza, substituindo os guerreiros Marcopolo Paradiso GV 1150 da Viação Nacional, modelos esses que se consagraram no transporte rodoviário realizando diariamente a linha Fortaleza x Picos desde 2007.

Após a extinção da São Geraldo, a Gontijo que controla a empresa, resolveu unificar suas operações, para se fortalecer diante do momento que passa o transporte rodoviário de passageiros no Brasil, com isso os ônibus da São Geraldo foram repassados para a Nacional e Gontijo, esta ainda mantendo o mesmo prefixo e pintura original em algumas unidades, ostentando apenas a marca Gontijo.

Ônibus que freiam sozinhos


Por Jocélio Leal
A Mercedes-Benz lançou na 11ª Festranrio, na semana passada, no Riocentro, uma série de novidades para ônibus urbanos e rodoviários. No urbano, o chassi 500 MDA HD. O chamado superarticulado permite até 10% mais passageiros ante a versão anterior, de 2013. A alemã define como o maior superarticulado para sistemas BRT e o maior articulado da marca no mundo. O diretor de vendas e marketing de ônibus, Walter Barbosa, explica que são 23 metros de comprimento, com capacidade para 223 passageiros. O modelo levado ao evento permitia 48 assentos e espaço para 175 passageiros em pé.

No segmento rodoviário, a novidade da Mercedes para o mercado brasileiro foi um pacote de novas tecnologias de segurança, já em uso noutros países, como Portugal. No rol, o AEBS – Advanced Emergency Braking System (sistema de frenagem de emergência). O sistema para o ônibus por completo a 200 metros de uma provável colisão. Funciona mesmo que o motorista nem pise no freio ou mesmo esteja a pisar de modo contínuo no pedal, em caso de cochilo, por exemplo. Primeiro, o AEBS emite sinais sonoros e de vibração como alerta para o motorista. Depois faz a frenagem parcial. No terceiro estágio, breca 100%.

Outros itens do pacote são o LDWS – Lane Departure Warning System (sistema de aviso de faixa) e o TPMS – Tyre Pressure Monitoring System (sistema de monitoramento da pressão e temperatura dos pneus). O impacto do pacote no preço final será de 7% a 8% do valor do veículo, segundo o vice-presidente de vendas, marketing e de peças & serviços para caminhões e ônibus, Roberto Leoncini. Outras novidades apresentadas na Feira são o tacógrafo digital e o sistema de gestão de frota Fleetboard, que já compõe a divisão de caminhões.

No evento, foram demonstrados ainda o novo painel de instrumentos com novas funções e o volante multifuncional com teclas, itens já disponíveis de série para toda a linha de chassis O 500 rodoviário, além do tacógrafo digital, opcional.
© 2010-2016. Fortalbus Busólogos - Todos os direitos reservados